segunda-feira, 16 de março de 2020

Divaldo Franco no Paraná XXII Conferência Estadual Espírita

Pinhais, 15 de março de 2020
A XXII Conferência Estadual Espírita, da Federação Espírita do Paraná – FEP – alcançou o seu último dia – 15 de março - no Expotrade Pinhais, onde três temas foram abordados, dentro do Tema Geral: O Homem, a Consciência e Deus. No período da manhã, os expositores se apresentaram na tribuna na seguinte ordem:
A Força do Um foi o tema trabalhado por André Trigueiro; Alberto Almeida discorreu sobre Enamorar-se de Deus; e Divaldo Franco, encerrando as atividades da profícua Conferência, apresentou o tema Jesus.
Narrou Divaldo que na história dos hebreus haviam se passado cerca de quinhentos anos sem o som das vozes proféticas. Roma havia distendido suas fronteiras e as legiões asseguravam para a Capital a luz do sol a brilhar permanentemente, dado a extensão territorial. Passando ligeiramente pela fundação de Roma e a sua importância, destacou os seus dois triunviratos, com maiores detalhes em torno do período em que Caio Júlio Cesar militar romano conduziu a transformação da República Romana para o Império Romano, um gigante da sociedade patrícia, mas que mesmo assim foi traído por parte do Senado e morto a punhaladas. Júlio Cesar foi, então, sucedido pelo segundo triunvirato formado por Marco Antônio, Marco Emílio Lépido e Caio Júlio Cesar Otaviano Augusto, que encerrou o triunvirato - após as mortes dos outros dois integrantes - restabelecendo a República Romana e governando com reconhecidos valores morais buscando, através de novas diretrizes, reparar os equívocos e excessos perpetrados por Júlio Cesar.
Roma estava em paz pela segunda vez em um período de aproximadamente 640 anos. Pairavam messes de alegria e bem-estar. Neste período de Otaviano não renasceram homens belicosos em Roma, porém, filósofos, artistas e intelectuais reencarnaram, empregando esforços na construção de um período de crescimento intelectual e moral para os romanos.
Otaviano, demonstrando o seu acentuado amor pela moralidade, não tergiversou nem com a esposa, que havia se envolvido na prática de envenenamento de desafetos, nem mesmo com a filha, que com atitudes impróprias, desonrava a corte, expulsando-as sem apelação.
Foi um período de muita paz e progresso para os romanos. Sabiamente Otaviano Augusto compreendera que um povo só é feliz quando está em paz. É necessário que haja paz, que a paz somente é possível quando existe moralidade, e essa deve começar pelos seus governantes para servir de modelo aos governados.
O que estava acontecendo? Os Espíritos dizem que o mundo estava em preparação para receber o Messias, que efetivamente veio, nascendo em uma gruta de calcário, no seio do povo hebreu. Antes da chegada do Messias, a civilização conhecida, por cerca de 300 anos, experimentou o martirológio imposto por diversos bárbaros conquistadores, tal qual Aníbal, o Cartaginês; Ciro, o Rei dos Persas; Alarico I e II; Átila, o Uno; e Gengiskan, entre outros. Todos conquistadores cruéis.
Tudo preparado, foi durante o governo de Otaviano Augusto que nasceu em humilde aldeia de Belém Aquele que seria o Modelo e Guia de toda a humanidade: Jesus, que vivendo em Nazaré venceu a humanidade, apresentando o Amor. Somente Ele veio como se fosse uma sinfonia melodiosa a penetrar em todos os escaninhos da Terra.
Ernest Renan, (1823-1892), filósofo, escritor e historiador francês do século XIX, foi nomeado em 1862 professor de hebraico no Collège de France, mas, após sua primeira aula, onde chamara Jesus de “homem incomparável”, seu curso foi suspenso pelo governo de Napoleão III, curso depois suprimido até 1870. Em 1864-1865, uma segunda viagem ao oriente o ajudou a preparar a sequência, que ele meditava, da ‘Vida de Jesus’, uma das obras mais célebres do século XIX, rapidamente traduzida em quase todas as línguas. Renan era o primeiro em França a vulgarizar a exegese alemã de David Friedrich Strauss, segundo a qual a vida de Jesus nada tinha de intervenção sobrenatural.
Ernest Renan, instigado por sua irmã Henriette, pesquisou sobre Jesus nos originais, ficando fascinado por esse Homem extraordinário. Desta forma Ernest Renan, embora ateísta, decidiu escrever sobre a vida Jesus, em três tomos. Em uma aula inaugural no Collège de France, em 22 Fev 1862, Ernest Renan afirmou que Jesus é um Homem incomparável, e que dividiu a História em antes e depois Dele. Jesus foi um vulto tão grande que não coube na História da Humanidade, sendo a personagem histórica mais biografada de todos os tempos.
Jesus venceu o mundo com olhos de ternura e compaixão, amando também as crianças, tão desprezadas a seu tempo. Ele foi a primeira personagem que não afastou de seu coração pater-maternal as crianças. Tornou-se o Embaixador da paz em nome de Deus. Ninguém revelou tanta sabedoria como Ele. Até hoje sua mensagem é acalentada nos corações humanos. Doze séculos depois, Francisco de Assis rogava para se tornar um hábil instrumento da paz.
Divaldo Franco destacou que na velha Palestina, na baixa Galileia, junto ao lago Genesaré, Jesus contemplava o outro lado, formado por uma cadeia de montanhas, em cujo topo se encontrava a cidade de Gadara. Ali, naquela região, se localizava a decápolis, detestada pelos judeus, haja vista que seus habitantes criavam porcos. Foi nesse cenário, no mês de Nissan (março/abril) com temperatura amena e o ar perfumado pelas rosas, que o Mestre Galileu, tomando o barco de Pedro, atravessou o lago, desembarcando em singela praia, no contraforte da montanha escarpada. Aqueles eram tempos difíceis.
O Mestre intentava visitar a comunidade malsinada e odiada pelos judeus. Subindo a escarpa, no primeiro platô havia um pequeno cemitério abandonado. De uma sepultura saltou alguém desgrenhado, gritando, - o que tens contra nós? E Jesus indaga: - e tu, quem és? Ao que recebe como resposta: - Legião, nós somos muitos, não nos mande para o Hades, deixe-nos, ao menos, ficar junto aos porcos. Não nos mande para as Geenas!
Jesus, então, ordena: - Legião! Sai dele! E o possesso, aturdido levanta-se, perguntando: - Senhor! Que queres que eu faça? Deixando livre o subjugado, aqueles Espíritos perversos, vibracionalmente, causaram pânico aos porcos, que aturdidos, se atiraram do alto daquele precipício. Aquele homem, possesso, estava há vinte anos sob o domínio ultrajante, vivendo no cemitério. Foi curado, e sorrindo, dizia a todos que havia sido Ele, Jesus, que o havia curado.
Ao mesmo tempo os gadarenos, que cuidavam os porcos, O amaldiçoaram por terem perdido seus animais, dizendo que não O queriam em Gadara, pois que o Mestre era judeu, recomendando que não voltasse mais, suplicando que os deixassem em paz. Alguém mais exaltado lançou uma pedra que raspou uma face do rosto de Pedro. Ide de volta, vociferaram, que Te vá, deixa-nos em paz, já perdemos os nossos porcos. Os gadarenos perguntavam-se entre si, quem era Aquele homem. Não sabiam responder, não haviam indagado sobre o visitante, nem mesmo procuraram saber o que viera ali fazer.
Ele, acompanhado pelo recém-liberto e os demais, embarcam de volta. Os gadarenos haviam trocado Jesus pelos porcos. É um exemplo de obsessão coletiva e a legião, também, se apossou dos demais criadores de porcos, desperdiçando a oportunidade de ascensão vertical, preferindo a horizontal, a que contempla os bens materiais. Até os dias atuais, muitos optam pelas paixões asselvajadas, trocando-O sem conhecê-Lo.
Jesus, o Incomparável Mestre, amando incondicionalmente, estabeleceu nova ordem para a humanidade, o amor, que deve ser a si mesmo, ao outro e a Deus. Ele é um Rei singular. Não possui trono, seu território é invisível. Ele assenta-se no trono de cada coração que o recebe, estabelecendo, assim, o Reino de Deus em cada criatura humana. Jesus é compaixão, é piedade para com todos.
Asseverou o nobre orador que o importante é não ser inimigo de ninguém. Joanna de Ângelis destaca que a ação dos belicosos é a saudade que eles sentem de Jesus, e não sabendo expressar essa saudade, agridem, ofendem, matam, na ânsia de acalmar a falta de Jesus em seus corações. Anseiam por Jesus.
Neste momento em que se clausura a XXII Conferência proferida pela Federação Espírita do Paraná, e que os seres angélicos que administram o nosso destino comparecem para repetirem como os mártires: - Ave Cristo! Aqueles que te amamos te saudamos e homenageamos.
Ao final, o Dr. Bezerra de Menezes assim se expressou, através da mediunidade de Divaldo Franco:
Jesus, meus filhos, é o zenith e o nadir das nossas especulações. Jamais tivemos tanta necessidade deste Pastor querido e jamais a humanidade apresentou tanto amor como nestes dias. O amor à natureza nas suas mais variadas expressões. Nesse amor à natureza, a tudo que em a natureza vibra e vive, os nossos irmãos da escala zoológica. Ademais, os nossos inimigos, os nossos amigos e irmãos, nunca houve tão bela e nobre consciência dos ditados de Jesus, porque não nos deixou órfãos, permitiu que as luminíferas estrelas caíssem dos céus sobre a Terra na escuridão pós revolução francesa que estimularia o mundo às canções de liberdade pelas Américas, arrebentando os grilhões do colonialismo que a humanidade de alguma forma ainda impõe na sociedade carente. Em tempo algum Jesus foi tão exaltado, tão combatido, e isso nos merece reflexão. Exultemos e não temamos, a morte não é o fim, é a grande libertadora da escravidão carnal. Não vos preocupeis demasiadamente com a presença pandêmica do vírus, cujo momento será mais tarde entendido nas suas razões, nas suas origens e no por que nos chegou-nos agora provocando pânico e dor. Vós que conheceis Jesus mantende o respeito às leis, buscando a precaução recomendada pelas autoridades sanitárias, mas não oculteis a mão socorrista aos padecentes. Não negueis a palavra libertadora aos que se preparam para enfrentar a imortalidade. Não saiais de onde fostes colocados numa inútil e enganosa tentativa de impedir a contaminação. Buscai a pureza íntima e sobretudo alimentai-vos da fé dinâmica, corajosa e gentil, amando a todos, evitando as paixões que dividem, e as experiências que unem. Hoje, quiçá, mais do que nunca, Jesus precisa de vossas mãos, falar pelos vossos lábios, sentir o calor da vossa compaixão e a misericórdia dos vossos sentimentos. O grande antídoto para todos os males é o amor responsável, é o amor dinâmico, é o amor que doa e não se preocupa em receber nem mesmo o sorriso do beneficiário. Não penseis que vos encontrais a sós, os céus enviam os seus embaixadores para que o intercâmbio entre encarnados e desencarnados se faça com muito mais facilidade. Tende o cuidado para que as vossas ondas mentais sincronizem-se com as mentes que administram as vidas e evitai descer o vosso pensamento às páginas da agonia onde se encontram as forças ultrajantes que estão produzindo as dores por necessidade da evolução do planeta. Ide, como Jesus disse aos quinhentos da Galileia, e pregai pelo exemplo, pela palavra iluminada e pelo exemplo de abnegação. As forças vivas do Universo estão conosco no doce intercâmbio convosco. Ide e amai! Em nome dos Espíritos espíritas, nós suplicamos, oh Senhor, que nos abençoe e nos guarde em paz. São os votos do Servidor Humílimo e Paternal. Bezerra.
Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Divaldo Franco no Paraná. XXII Conferência Estadual Espírita Pinhais

14 de março de 2020
A XXII Conferência Estadual Espírita, da Federação Espírita do Paraná – FEP – teve o seu prosseguimento no Expotrade Pinhais com sete temas para elucidar o Tema Geral: O Homem, a Consciência e Deus. Durante todo o dia 14 de março os expositores se revezaram na tribuna na seguinte ordem:
Sandra Borba Pereira discorreu sobre o tema Compromisso com Jesus, retornando no período da tarde para expor sobre Conhecimento, Consciência e Responsabilidade; Haroldo Dutra Dias abordou o tema O santuário da consciênciaA Lei de conservação e a Lei de destruição foi o tema trabalhado por André Trigueiro; Alberto Almeida apresentou suas reflexões sobre A (a) ventura da (in) consciência; Consciência e responsabilidade foi a abordagem realizada por Jorge Godinho Barreto Nery; e Divaldo Franco, encerrando as atividades do dia, discorreu sobre O homem perante a consciência cristã.
Antes da exposição de Divaldo Franco, Juan Danilo Rodríguez, trabalhador da Mansão do Caminho, apresentou bela página musical interpretando o poema Gostaria de ser, sendo amplamente aplaudido.
Tenhas o conhecimento teórico de várias ciências, sejas possuidor de um grande conhecimento, quando, no entanto, se estiveres diante de uma alma, lembra-te, estás diante de uma alma. Esta é uma frase de Carl Gustav Jung. Assim começou Divaldo Franco a sua exposição. É uma reflexão profunda ante a necessidade de as criaturas humanas ouvir, sentir e compreender o outro, merecedor de alta consideração. Cada indivíduo vive conforme a sua própria consciência. No passado, toda a pessoa dotada de conhecimento era considerada possuidora de consciência, porém, a experiência demonstrou o contrário.
A consciência é um atributo do Espírito, do ser imortal. Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço e fundador da psicologia analítica, escreveu em três dias e três noites, freneticamente, o livro Resposta à Jó, personagem mitológica da Bíblia, onde apresenta uma definição a respeito da consciência, destacando que o verdadeiro momento de consciência é quando o Ego toma conhecimento do SELF, do EU profundo. A busca pelo autoconhecimento levará o homem a construir-se mais equilibrado, responsável, amoroso. A família é o laboratório ideal. Voltar à família, construindo o genuíno lar é tarefa que todos devem realizar.
Apresentando dois pesquisadores, George Ivanovich Gurdjieff, que viveu no período da revolução bolchevique, e o seu discípulo Peter Ouspensky, Divaldo Franco, com seu verbo iluminado, discorreu sobre os quatros níveis de consciência do ser humano, segundo Peter Ouspensky. Ele classificou a sociedade em dois biótipos. Denominou de fisiológico aquelas criaturas que se relacionam através das sensações. Ao outro biótipo chamou de psicológico – uma minoria da sociedade. Em seus estudos, Peter Ouspensky classificou o ser humano em quatro níveis de consciência. Consciência de sono sem sonhos é o primeiro nível. Neste está a grande maioria, com raras exceções. É o estágio primário na escala de evolução. Ouspensky afirmou que pelas reencarnações o indivíduo vai adquirindo conhecimento e despertando a consciência. O segundo nível é o de sono com sonhos, ou consciência desperta. A criatura humana alcança o discernimento, dá-se conta que sua existência tem um significado psicológico. Elucidando estes níveis de consciência, Divaldo expôs o pensamento de Joanna de Ângelis que os desdobra um pouco mais. Para tal, utilizou-se do Mito da Caverna, de Platão. Na questão 621 de O Livro dos Espíritos, lembra o professor Divaldo Franco, Allan Kardec indagava sobre onde estava escrita a Lei de Deus. Na consciência, foi a resposta obtida.
Consciência de si mesmo é o terceiro nível estabelecido por Ouspensky. Neste nível o autor apresenta as funções da máquina – o ser humano. A primeira função é a intelectiva. A segunda é a emocional. Na ordem estão as funções instintiva, motora ou postural, e a sexual. A sexta função é a intelectiva emocional e a intelectiva superior é a sétima. Estas funções devem ser administradas por essa consciência de si mesmo. Peter Ouspensky denominou o quarto nível como o de consciência objetiva, que Allan Kardec chamou de consciência cósmica. Educação moral, familiar, cultural, emocional e social, impõem-se como fundamentais. Essa deve ser a consciência dos espíritas, sob as dúlcidas vibrações de Jesus.
Fácil, portanto, de se depreender que a educação do Espírito, por meio do desenvolvimento de hábitos saudáveis e nobres, seria o caminho para se atingir patamares mais elevados de consciência. O amor de Deus pode refazer o Universo, assim, todos os indivíduos deveriam ser tornar seres de consciência emocional superior. Finalizando o excelente trabalho, Divaldo Franco foi amplamente aplaudido após declamar o Poema Meu Deus e Meu Senhor, de Amélia Rodrigues.
Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

domingo, 15 de março de 2020

Divaldo Franco no Paraná XXII Conferência Estadual Espírita

13 de março de 2020
A XXII Conferência Estadual Espírita, da Federação Espírita do Paraná – FEP – teve o seu momento artístico sob a responsabilidade do Coral Ildefonso Correia, encantando o público, harmonizando os pensamentos e sentimentos, preparando o ambiente para recepcionar os expositores e convidados.
Jorge Godinho Barreto Nery, Presidente da Federação Espírita Brasileira externou o seu sentimento de gratidão à FEP e ao Movimento Espírita paranaense por proporcionar momentos de reflexão sobre Deus, Jesus e o homem, ampliando conhecimentos, lançando luzes mais potentes sobre a imortalidade da alma, a mensagem crística sobre a vida eterna, sobre o magnífico exemplo legado pelo Cristo, ao tempo em que exortou os presentes a orarem em favor da serenidade, da fé e da esperança.
Luis Henrique da Silva, Presidente da FEP, destacou a importância que as reflexões desta Conferência irão proporcionar, principalmente sobre o que está ocorrendo na Brasil e no mundo, pois que o tema da Conferência é: O Homem, a Consciência e Deus. Destacou a necessidade de a criatura humana realizar ações nobres e acalentar pensamentos edificantes, à luz de Jesus e seus ensinamentos.
Divaldo Franco, discorrendo sobre A Conquista da Paz, asseverou que no apagar das luzes do Século XX o homem conseguira aprofundar-se no infinitamente pequeno e nas conquistas do macrocosmo, onde as sondas alcançam o inimaginável para a grande massa humana na Terra. É a ciência oferecendo oportunidades para que a vida flua de maneira menos surpreendente, com deveres e direitos, alongando o olhar através dos telescópios ultra potentes propiciando o homem conhecer sextilhões de astros.
Viajando para fora, esqueceu-se que é um ser moral, dotado de sentimentos. Com toda a tecnologia posta a serviço do homem, este ainda não se sente feliz, plenificado, está triste. A humanidade imaginava que no alvorecer do terceiro milênio conquistaria a paz, a felicidade e o bem-estar, contudo, assim não se verificou até o presente momento.
Líderes mundiais e idealistas, estabelecendo uma aliança pela paz através da UNESCO, lançaram um memorando com seis itens fomentadores da paz. 1. É necessário amar a vida; 2. É necessário preservar a paz; 3. É necessário desenvolver a tolerância; 4. É necessário estabelecer o diálogo e a compreensão entre todos; 5. É necessário preservar a natureza, desenvolvendo um sentimento ecológico; e 6. É necessário retornar à solidariedade. Com estas medidas, os líderes saudaram a imensa possibilidade da paz. Com o memorando em favor da paz foi ampliada a divulgação desse ideal.
Jesus já falara de paz, que é alcançada através da prática do amor a si mesmo, ao próximo e a Deus. Mas, como o homem pouco conhece o Cristo, uma fatalidade se abateu sobre a humanidade em 11 de setembro de 2001, estabelecendo um marco na escalada do terrorismo internacional, mudando as medidas de relacionamento entre as pessoas, criando desconfiança entre todos. O medo se instalou no seio da sociedade humana e o terror e a perversidade criaram um desequilíbrio emocional.
O Semeador de Estrelas, enriquecendo o conteúdo apresentado, narrou singular lenda e que está contida no livro Estante da Vida, de Humberto de Campos, sob o título: A Lenda da Guerra. Seu fundamento está contido no desperdício que o homem pratica em suas várias reencarnações, postergando aprendizados importantes e inadiáveis com relação ao seu adiantamento moral. E na prestação de contas com o Senhor, que identificando a insensibilidade humana, e mostrando-se entristecido ordenou em seguida que alguns anjos descessem aos infernos e libertassem perigoso monstro sem olhos e sem ouvidos, mas com milhões de garras e bocas. Foi então que, desde esse dia, o monstro cego e surdo da guerra acompanha os pastores do bem, a fim de exterminar, em tormentas de suor e lágrimas, tudo o que, na Terra, constitua obra de vaidade e orgulho, egoísmo e tirania dos homens, contrários aos sublimes desígnios de Deus.
Nestes atuais dias, asseverou o ínclito orador, um Anjo Bondoso trouxe um ser pequenino, invisível a olho nu, para que o homem se repense e avance na direção da moralidade. Esse coronavírus é a oportunidade oferecida por Deus para que as guerras percam a intensidade e faça com que o homem passe a respeitar as divinas leis, utilizando o Evangelho de Jesus.
A Doutrina Espírita convida ao trabalho, à tolerância e à solidariedade. Jesus é o modelo de virtudes jamais observado na face da Terra. A imortalidade da alma é uma realidade, e o amor disseminado pelo Mestre é a grande lição ainda não aprendida. O Espiritismo ainda não se instalou por completo no coração dos espíritas, nem no do homem em geral. A mensagem ética e moral está sendo deturpada na atualidade, aturdindo o ser humano aprisionado por sensações mil, criando um campo vibracional de polaridade negativa.
O amor de Deus fala aos corações humanos através da exuberante natureza, estimulando-os ao incessante trabalho da renovação de caráter. Todos os espíritas deveriam vivenciar a Doutrina Espírita tendo certeza da imortalidade. Para falar sobre a imortalidade, Divaldo narrou que a cerca de dois meses um Espírito se apresentou para contar a sua história, afiançando a imortalidade. Era um Espírito que se apresentava e falava no idioma alemão. Tratava-se do autor e protagonista desse episódio conhecido como A Menina da Maçã, Herman Rosenblat. Essa história está no filme O Homem do Pijama Listrado. Recomendou, o protagonista da história, que os homens passem a se amarem.
Jesus é a excelência do amor. É necessário amar sempre, sem condições. Deus manda o coronavírus para que a humanidade desperte e o amor possa permear a sociedade humana. O monstro cego, surdo e insensível deve dar lugar a Jesus, o condutor dos homens. É necessário que o homem se abra para o amor, construindo um mundo de regeneração. O amor é a caridade que liberta. Somente o amor é capaz de felicitar o homem. A Lei de Amor é o sentido da vida, e todo o homem sensato não deve dar vazão e razão às queixas, às intrigas, ao mal. O Amor é paz interior, é sabedoria. Declamando o Poema da Gratidão, de Amélia Rodrigues, Divaldo Franco foi aplaudidíssimo pelo público que se postou de pé, homenageando o destacado orador espírita.
Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke


Veja vídeos no youtube

sexta-feira, 13 de março de 2020

Divaldo Franco no Paraná Ponta Grossa

12 de março de 2020
Retornando à encantadora cidade de Ponta Grossa pelo 66º ano consecutivo, Divaldo Franco foi entrevistado pela TV local, ocasião em que respondeu questões sobre o seu sentimento com relação à Ponta Grossa; o COVID-19 – o coronavírus-19 -; o grande desafio do ser humano, isto é, fazer a grande viagem para o seu interior, descobrindo-se; e a mensagem de Jesus, o modelo e guia para a humanidade, um exemplo de ética e de moral irretocável.
Após bela apresentação do Coral Vozes de Francisco, e perante os dirigentes espíritas locais, regionais e estadual, e cerca de 2.000 pessoas que lotaram o auditório do Clube Princesa dos Campos, Divaldo Franco asseverou que aqueles eram dias igualmente semelhantes aos atuais. Realizando um passeio pelos fatos marcantes da humanidade, ressaltou a necessidade de os conhecer para refletir sobre os fatos históricos a fim de melhor compreender a realidade dos dias atuais.
Passando ligeiramente pela fundação de Roma e a sua importância, destacou os seus dois triunviratos, com maiores detalhes em torno do período em que Caio Júlio Cesar militar romano conduziu a transformação da República Romana para o Império Romano, um gigante da sociedade patrícia, mas que mesmo assim foi traído por parte do Senado e morto a punhaladas. Júlio Cesar é sucedido pelo segundo triunvirato formado por Marco Antônio, Marco Emílio Lépido e Caio Júlio Cesar Otaviano Augusto, que encerra o triunvirato - após as mortes dos outros dois integrantes - restabelecendo a República Romana e governando com reconhecidos valores morais buscando, dessa forma, reparar os equívocos e excessos perpetrados por Júlio Cesar.
Foi um período de muita paz e progresso para os romanos. Sabiamente Otaviano Augusto compreendera que um povo só é feliz quando está em paz. É necessário que haja paz, que a paz somente é possível quando existe moralidade. Essa deve começar pelos seus governantes para servir de modelo aos governados. Foi durante o governo de Otaviano Augusto que nasceu em humilde aldeia de Belém Aquele que seria o Modelo e Guia de toda a humanidade: Jesus.
Emoldurando a histórica, Divaldo se utilizando de narrativas poéticas, apresentou a Palestina dos tempos Evangélicos com suas paisagens, flores e perfumes, a brisa suave e o Mar da Galileia. Israel experimentava inquietações que não identificava. Jesus estava por chegar e permanecer algum tempo entre os homens. Havia uma expectativa no ar, havia angústia, decepção, pois que a criatura humana havia sido reduzida em importância. Israel era monoteísta, cercada por politeístas.
Na casa de Simão Pedro, Jesus, cuja face fazia lembrar uma noite de estrelas, com dois sois, seus olhos doces, em suave tonalidade azul, havia procedido as curas durante todo o dia, notadamente a de Natanael Ben Elias. Ele veio trazer Boas Novas de alegria. Ali estavam as necessidades humanas e suas aflições. A multidão, como na atualidade, estava ansiosa pela cura. Vendo-O cansado, Pedro dispersou a multidão ao entardecer, e levou o Mestre a descansar a beira do mar da Galileia, e sentado em uma pedra sob generosa sombra de uma árvore, Jesus chorou. Pedro, exultante pelos resultados positivos imaginou que Jesus chorava de alegria. No entanto, o Mestre lhe diz que era por compaixão, pois que, aqueles que haviam sido beneficiados pela cura estavam se perdendo novamente nos desvãos da moralidade e da iniquidade.
Como para as curas, é necessário que o ser humana creia para poder conquistar qualquer objetivo. Crer é uma proposta terapêutica. Simão Pedro, como os que foram curados também não compreenderam o sentido. Jesus não veio para curar as feridas do corpo, mas as da alma. Jesus veio para curar as feridas da alma para que os corpos não tenham feridas. Estabeleceu que intercederia pelos homens rogando a Deus que enviasse outro consolador para que esse ficasse permanentemente com os homens, ensinando, relembrando e esclarecendo para que possa ser consolado.
O Espírito de Verdade veio para restaurar a mensagem do Cristo, trazendo conhecimentos novos, e a sublime mensagem do amor alcança os ouvidos e os corações dos que O escutam. Jesus veio para amar. Perpassando a história do cristianismo, Divaldo Franco descreveu o panorama inaugurado pelos primeiros cristãos, que deturpado após, foram estabelecidas em seu nome as perseguições, onde os cristãos experimentaram dores acerbas no testemunho de sua fé. Como o homem é insensato! Nos períodos que se seguiram, e tendo os cristãos assomado ao poder, passaram a perseguir e a matar os perseguidores de outrora. Perseguido ontem, perseguidor hoje. Aí estão, na História, as Cruzadas, os tribunais do Santo Ofício, a Inquisição.
Jesus trouxe a sua mensagem de amor para que o homem deixasse os pântanos das emoções descontroladas, atreladas às sensações impostas pelos instintos, ensinando que os bens imperecíveis são os do Espírito imortal.
Discorrendo, ainda, sobre algumas análises elaboradas por destacados estudiosos, Divaldo abordou o pensamento da psicanalista Dra. Hanna Wolff, que considera Jesus o maior psicoterapeuta que já existiu. Suas análises e considerações estão reportadas em o livro “Jesus Psicoterapeuta”.
O amor é inspirador da busca de um sentido profundo e transcendental para a vida, encaminhando o ser humano para alcançar o discernimento e a capacidade de distinguir o bem do mal. O amor não se apega, não sofre a falta, mas frui sempre, porque vive no íntimo do ser e não das gratificações que o amado oferece. O amor deve ser sempre o ponto de partida de todas as aspirações e a etapa final de todos os anseios humanos.
Não há, portanto, razão para que a criatura humana se deixe envolver pelo manto de pessimismo que os dias atuais vêm cercando a sociedade. Não se deve valorizar o mal que graça no seio da sociedade humana, nem mesmo se deve permitir que nos tirem a paz e a alegria de viver.
Apesar dos dias tumultuosos da atualidade, onde as aflições, os ódios, as intolerâncias, os sofrimentos e as violências, é urgente aceitar e viver a proposta de Jesus, amando mais, tornando-se o ser humano, assim, mais gentil, tolerante, pacífico e manso, de acordo com os ensinamentos registrados no Sermão da Montanha, permitindo a formação de uma humanidade mais justa e feliz. Muitos, ao invés de se amarem uns aos outros como preconizado por Jesus, elegem se armarem uns contra os outros, seja no campo material, seja no emocional.
A Doutrina Espírita convida a criatura humana a estabelecer profundas reflexões sobre a vida, suas existências e o potencial que cada uma possui para melhorar-se moralmente, empregando o verbo amar em toda e qualquer circunstância. A humanidade atual vive momentos de aflição e muita apreensão ante a avassaladora multiplicação de contaminados com o coronavírus, o COVID-19. Paira sobre a sociedade humana esse bafio pestilento.
Destacando a imortalidade, o Embaixador da Paz, evidenciou o trabalho contínuo que muitos Espíritos pioneiros de Ponta Grossa, já desencarnados, continuam incessantemente realizando, sentindo-se felizes por poder auxiliar o próximo, principalmente o que se acha na dimensão material. Frisou que se deve equalizar o EGO e o SELF, estabelecendo um eixo equilibrado. Todo aquele que se diz cristão tem o dever de acolher Jesus em si, isto é, viver segundo os seus ensinamentos, tornando-se um ser mais solidário, fraternal e amoroso. Ame a vida com serenidade, sem pânico, está na hora de abraçar a caridade, é hora de não reclamar, de não pedir nada, mas de agradecer, de ser grato por tudo e todos. Nas suaves estrofes do Poema da Gratidão, de Amélia Rodrigues, Divaldo encerrou a conferência, recebendo fortíssimos aplausos, permitindo aos presentes sentir a presença do amor incondicional de Jesus envolvendo todos.
Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

Divaldo Franco no Paraná Maringá

11 de março de 2020
O Ginásio de Esportes Chico Neto recebeu cerca de 4.000 pessoas para assistirem a magnífica conferência cujo teor comovente versou sobre a capacidade de o ser humano de amar-se, amar o próximo, amando, portanto, Deus, transformando-se moralmente para melhor.
Ao tempo de Jesus, Magdala era uma formosa e celebre cidade à beira do mar da Galileia. Célebre por que a Rainha Cleópatra, por duas vezes, passou o verão tórrido do Egito, na calma e agradável cidade às margens do Mar da Galileia, que também tinha fama pelo seu mercado e pelo câmbio de importantes moedas.
Ali residia bela mulher, disputada por muitos. Com belas mansões e palacetes, aparentava opulência. Era o mês de Nissan – março/abril -, do calendário judaico. Assim ambientado, Divaldo narrou a comovente história de Maria de Magdala, a meretriz, que conhecendo Jesus, tornou-se uma nova mulher, abandonando, de chofre, todos os maus hábitos, distribuindo todos os seus bens, dispensando empregados e escravos, para seguir Jesus incondicionalmente.
A vida da famosa meretriz de Magdala era visitada periodicamente por forças misteriosas que a deixavam prostrada, hebetada. E porque procurara Jesus, ao encontrar um mendigo leproso que lhe pedia dinheiro, este disse-lhe que naquelas imediações havia um homem bom que curava os doentes. Maria, então, solicita-lhe que se o encontrasse fosse ter com ela, informando-a sobre o paradeiro, dando a ele uma moeda de ouro. Ele tinha lepra por fora e ela por dentro, isto é, a consciência em tormento. Era uma pecadora, uma vendedora de ilusões.
Assim sucedeu. O leproso encontrou o Messias, foi ter com Ele e ficou curado. Imediatamente foi informar a equivocada de Magdala. A noite se fazia presente. Ela se encontrava aturdida pelo acometimento que lhe visitava inesperadamente. Nestas ocasiões não recebia a ninguém. Mas o mendigo insistiu tanto que logrou o seu tentame. Informou-lhe que o Messias estava em Cafarnaum, onde pernoitaria para sair no dia imediato. Não poderia perder tempo. De barco, atravessaram o mar da Galileia e foram ter com Ele ao amanhecer.
Ao encontrar Jesus, Maria de Magdala atirou-se aos seus pés, chamando-o de Mestre querido - Raboni. Jesus se dirige a ela chamando-a pelo nome, - o Mestre a conhecia, tal qual o pastor conhece as suas ovelhas – Ele é o bom Pastor das almas, conhecendo-as, todas. Maria disse que deseja seguir-lhe os passos, acompanhá-lo. Porém, o Nazareno disse-lhe não, por ora não seria possível, não agora, mas depois. Por ora, Maria, ame, ame os filhos do mundo, tome conta deles e depois venha a mim. Vai Maria, Eu te esperarei. Vá e ame. Jesus ama as multidões, ilumina a noite dos corações.
Retornando ao seu palacete, a meretriz parecia ter enlouquecido. Ninguém a compreendia. Ela atirava pelas janelas de sua imensa casa luxuosa, as joias, seus bens preciosos, moedas e outros valores, perfumes raros e caros. Dispensou seus empregados. Libertou os escravos. Apanhou um vaso com perfume raro e foi ter com o Mestre, servindo-o com deferência e sublime amor. Passou a ser vista nas caravanas, atendendo a todos, falando de Jesus, o incomparável Mestre. Peregrinou e pregou o Reino de Deus.
O AMOR é libertador. A meretriz de Magdala amou-O como nunca. Passou a fazer parte das atividades de Jesus. Ela assistiu-O entrar em Jerusalém, no período de ramos, quando o Mestre iria, pouco depois, para o suplício no Gólgota. Jesus foi para o seu martírio, João e a pecadora convertida acompanharam-nO de perto.
Após percorrer o caminho de dor imposto pelos poderosos temporários, e já no monte da caveira, ou do calvário, Maria de Nazaré, a Santíssima, acompanhada de Maria de Magdala e de Mônica, que lhe secou o suor sanguinolento, experimentam a dor da angústia, do medo e o tormento do suplício aplicado ao inocente. A cena era tenebrosa, Jesus tomba pendurado na cruz. Tudo estava consumado.
A noite caiu sobre a terra antes mesmo de o sol se pôr. Aqueles últimos momentos foram de terrível angústia e tristeza. A ex-meretriz permaneceu ali, constrita, em profunda tristeza e ao amanhecer foi ao sepulcro e lá já não encontrou o corpo do Messias. Vislumbra, na penumbra da madrugada, uma silhueta, imagina ser um zelador, e pergunta para onde haviam levado o seu Senhor. Ele, então, se volta, ela se viu diante do Mestre, que não se deixa tocar.
Maria de Magdala saiu dali e foi ter com os demais discípulos, informando-os sobre o sucedido. O Mestre está vivo, exclama ela. Não acreditaram nela. Maria Santíssima, disse-lhe, então: - Minha filha, meu coração de mãe diz que tu o viste. Já Tomé, somente mais tarde foi acreditar, desejava tocar em suas chagas para que tivesse certeza de era realmente o Mestre.
Depois desta aparição, Jesus ainda teve outras oportunidades para se fazer notar pelos circunstantes, reafirmando a sua natureza espiritual ímpar. Estimulou e encorajou aos que estiveram com Ele a saírem por toda a parte para pregarem o Evangelho para todos.
No passado, como na atualidade, o preconceito vige soberano. Maria de Magdala não conseguia trabalhar. E por não encontrar trabalho, ao passar de uma caravana de sírios leprosos que procuravam pelo Mestre, no desejo de serem curados, e não sabendo do que havia sucedido no Gólgota, Maria de Magdala dá-lhes a notícia.
Ela falou aos leprosos sírios com uma ternura como nunca, e como não tinha a ninguém, foi ter com eles, passando a falar de Jesus para aqueles doentes. Em estando no meio de leprosos, adquiriu a peste. A lepra se alastrou, tomou-lhe o corpo outrora belo e, agora, quando falava aos leprosos, se dirigia não mais a vós, mas a nós, pois que, então, fazia parte do número dos contaminados.
Maria de Magdala decidiu, então, visitar a Mãe Santíssima, em Éfeso. Viajava à noite, para não ser importunada. Depois de longas noites caminhando, chegou à Éfeso pela manhã. Já quase sem forças, desfaleceu, e um casal de cristãos recolheram-na para a casa de Maria Santíssima e de João.
Por três dias e três noites Maria de Magdala permaneceu em delírio. Na manhã do terceiro dia sentiu algo estranho e uma força arrancou-a da carcaça, sendo acolhida por um grupo de seres angélicos. Viu-se à beira do mar, ouvia suave melodia e aquela luz, pairando sobre as águas, arrebatou-a às alturas, acolhendo-a. Era Jesus. Luz fulgurante rasgou os céus. Maria de Magdala havia transposto a porta estreita. No amor que Jesus nos ensinou está a resposta para todas as amarguras. Está a resposta para a nossa busca no amor. Jesus veio para que cada ser humano possa atravessar a porta estreita, consolando, apresentando o reino dos Céus. Esta comovente história está contida no livro Estrela Verde, sob o título - Mirian de Migdal: capítulo 3, uma compilação de Delcio Carvalho, da Editora LEAL.
Finalizado o fulgurante encontro pacificador de corações e estimulador do amor, Divaldo Franco foi calorosamente aplaudido de pé. Marcando esse evento, as lideranças espíritas locais prestaram-lhe singela homenagem.
Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Divaldo Franco no Paraná Medianeira

18 de fevereiro de 2020
Conferência Pública
O Centro de Eventos da LAR Cooperativa Agroindustrial, em Medianeira/PR, ficou lotado. O público, expectante, assistiu a bela apresentação do Coral Enrique Baldovino, antecedendo a magnífica conferência realizada por Divaldo Franco, recebido pelas lideranças espíritas locais, regionais e estadual.
Fatos não programados acontecem amiúde na vida das pessoas, contrariando desejos e ações, mesmo as programadas. É comum os indivíduos se perguntarem sobre os motivos que levaram a não alcançar os resultados esperados, embora bem preparados. Assim aconteceu com o eminente Bispo Anglicano James Albert Pike (14 Fev 1913 - Set 1969), um homem notável que influenciou positivamente o Reino Unido e os Estados Unidos da América, ao sofrer o impacto do suicídio de seu filho Jim Pike em 1966, em um quarto de hotel da cidade de Nova York.
O acontecimento causou um inesperado impacto no Bispo e na sua vida, levando-o a refletir sobre os acontecimentos envolvendo o relacionamento com o filho, agora morto. Lembrou-se de ter sido informado pela escola de que seu filho era um usuário de drogas. Mergulhando nas reminiscências, recordou-se da indisfarçável surpresa e constrangimento de que fora tomado naquela ocasião, quando preferiu dar crédito ao filho, que lhe afiançava não ser drogadito, embora admitisse consumir eventualmente. Ante o fato estarrecedor, refletindo, o Bispo Pike havia confiado nas palavras do filho, quando o correto teria sido o de aprofundar as análises. Meses mais tarde, lembrou-se o Bispo, havia ficado comprovado que Jim era um toxicômano.
A maioria dos pais – advertiu Divaldo – não reflete com profundidade sobre os riscos envolvendo os filhos no uso das drogas, pois acreditam, ingenuamente, que eles jamais usariam drogas. Os pais, asseverou, devem ficar muito atentos aos sinais indicativos - físicos e comportamentais - de que seus filhos são usuários de drogas: diferentemente do seu comportamento habitual, ele se torna, ou silencioso ou rebelde; tremores nas mãos; sudorese fria e viscosa; ligeira palidez na face; a comunicação verbal é ineficiente, às vezes confusa, uso do linguajar quase monossilábico. Na medida em que a dependência aumenta, há uma dilatação dos vasos sanguíneos dos olhos, que para disfarçar esse sintoma, o dependente se utiliza de forma constante o uso de óculos de sol, mesmo à noite, dada a fotofobia produzida, uma das consequências do uso de drogas.
O lar é o ambiente ideal de educação, ali tem início a construção moral dos filhos, que mediante o comportamento dos pais, dando-lhes exemplos do valor do conhecimento, do caráter, da honra, da convivência doméstica. Essa é uma tarefa indispensável, nunca deve ser transferida totalmente para a escola, encarregada da instrução, na qual se devem induzir os hábitos saudáveis através da conduta dos mestres.
Infelizmente a criança não é devidamente valorizada. Os pais não dão a atenção indispensável, o carinho e a assistência no lar. Preocupam-se em dar coisas, evitando darem-se a si próprios, mesmo que isso resultasse em menos conforto e maior esforço na manutenção da família. O pensamento materialista favorece o surgimento de uma sociedade imediatista, agressiva, cruel e indiferente. Divaldo Franco fez séria advertência aos genitores: não se iludam de que o seu lar não será alcançado por esse flagelo. Observem o comportamento dos filhos!
Contudo, se o drama das drogas já instalou em seu lar, não fuja, ignorando o fato devastador. Não se revolte, nem seja hostil. Faça uso do diálogo, esclarecendo, orientando e assistindo o filho. Lembre-se que além do auxílio dos recursos médicos, não se esqueça do amor. A Doutrina Espírita é manancial disponível para a construção da moral, visando obter a reeducação e a felicidade de todos. Sua base sólida está assim constituída em seis pilares:
1. Existência de Deus: O emérito Allan Kardec pergunta aos Bons Espíritos, em O Livro dos Espíritos, questão 4: Onde se pode encontrar a prova da existência de Deus? A resposta é sublime, pois é tirada do pensamento lógico: “Não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e a vossa razão responderá.”
2. Imortalidade da alma: Ninguém morre, somente o corpo físico perece.
3 Comunicabilidade dos Espíritos: A mediunidade abençoada que – à semelhança do que aconteceu com o Bispo Pike - instrui, consola e restabelece a esperança e revigora a fé.
4. Reencarnação: Que responde: Por que eu sofro? A Reencarnação possui a capacidade de informar o que somos, o que fazemos de nós, bem como afiança que o destino está nas mãos de cada criatura humana.
5. Pluralidade dos Mundos Habitados.
6. O Evangelho de Jesus: O Espiritismo tem por base o tratado mais notável de princípios éticos de que a Humanidade jamais teve a glória de conceber: O Evangelho de Jesus.
Feitas essas considerações, Divaldo Franco retornou ao drama do Bispo Pike, que se mudara dos EUA para a Inglaterra, habitando o mesmo apartamento onde por muitos anos seu filho residira. Assim, diante de fatos inusitados envolvendo ocorrências paranormais, o Bispo Pike procurou o auxílio de uma médium inglesa – a Sra. Ena Twigg (1914 – 1984). Pela psicofônica – um dos tipos de mediunidade – Jim, desencarnado, manifestou-se revelando que sua morte não fora por suicídio. Jim informou que morrera após ingerir, inadvertidamente, uma grande dose de medicamentos e calmantes para poder vencer a insônia, e diante da ineficácia da medicação passou – em um gesto automático – a tomar vários até que sobreveio a desencarnação. Ele era, sim, um suicida indireto, por ter sido um toxicômano.
O Bispo James Pike voltou à casa da médium, Sra. Ena Twigg, por mais dez vezes, em intercâmbios bem-sucedidos, colhendo depoimentos do filho e de um amigo de infância, também já falecido. Os depoimentos deram-lhe as provas da imortalidade da alma e da comunicabilidade dos Espíritos. Diante dessas evidências incontestáveis o Bispo Pike readquiriu a fé, agora iluminada pela razão, levando-o narrar todos os pormenores dessa redescoberta em suas conferências, sermões e entrevistas aos meios de comunicação. Os fatos ensejaram-lhe a oportunidade de publicar o livro The Other Side (O Outro Lado), sua autobiografia.
Observação: Mais detalhes sobre o Bispo Pike, seu filho Jim e os desdobramentos deste episódio, se encontram na obra Um Encontro com Jesus, no capítulo 26, uma compilação de Delcio Carvalho.
Os fatos da vida podem ser elucidados, ou melhor compreendidos, à luz da majestade do pensamento Espírita, o Consolador prometido por Jesus. A mensagem de Jesus dá ao homem a oportunidade de descobrir o sentido da vida, isto é, amar, superando o vazio existencial, ao buscar Deus, compreendendo que as dificuldades fazem parte da existência. A mediunidade propicia momentos ricos de bênçãos. A vida está presente em tudo e em todos os lugares. O atual momento é de esperança, de mudanças a caminho de um mundo melhor, cada ser humano está diante da Eternidade, da mais pura realidade, convidando a viver com felicidade, amando, sendo e vivendo a transcendência, pois que cada criatura humana é a manifestação de Deus do verbo amar, asseverou Divaldo Franco, o Paulo de Tarso do Espiritismo.
Declamando o Poema Meu Deus e Meu Senhor, de Amélia Rodrigues, Divaldo encerrou magistralmente a conferência, recebendo caloroso aplauso, pondo-se o público de pé.
Texto: Paulo Salerno
Fotos: Jorge Moehlecke


segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Divaldo Franco - Seminário Vidas Vazias - Parte 3

São Paulo 09 de fevereiro de 2020
    Fotos: Edgar Patrocinio
    Texto: Djair de Souza Ribeiro
O sol esfuziante – que rutilava em SP - acolheu com seus raios esfuziantes de luz e calor o domingo 09.02.2020.
Chegava o derradeiro dia do Seminário Vidas Vazias.
Nesses dias, conceitos novos foram apresentados, conceitos conhecidos foram recordados, renovados e ampliados.
Divaldo - do alto de sua larga experiência de educador e mestre na arte de iluminar consciências - sabe que na condição de aprendizes que somos todos nós, trazemos dúvidas e incertezas sobre os conceitos e ideias exaradas no decorrer do Encontro.
Por esta razão, Divaldo – diante da complexidade do tema apresentado – abriu espaço para responder às questões apresentadas pelos participantes sempre ávidos por ampliarem conhecimentos.
Variadas e múltiplas perguntas foram formuladas e todas respondidas por Divaldo com jovialidade e precisão pautando-as sempre na Doutrina Espírita e nos ensinamentos de Jesus.
Com rara habilidade Divaldo não desperdiçou a oportunidade e permeou suas respostas e esclarecimentos enfatizando que o despautério, a agressividade e a inversão de valores estavam chegando ao paroxismo de exteriorização, mas que NUNCA houve tanta manifestação de AMOR a envolver a Humanidade.
Diante do alto interesse em relação ao Transtorno do Autismo, Divaldo franqueou a palavra ao Dr. Juan Danilo Rodriguez - médico e psicólogo Equatoriano, autor das obras “Terapia Holística Alliyana” e “Notas do Coração” – que na condição de fundador em Quito da Fundação Luz Fraterna (Fundación Luz Fraterna) que assiste terapeuticamente adolescentes autistas, reúne as melhores condições para dirimir as dúvidas surgidas.
O Dr. Juan Danilo também forneceu maiores esclarecimentos e informações sobre dúvidas referentes à terapia Alliyana, ocasião em que reiterou ENFATICAMENTE de que tal terapia é uma FERRAMENTA. O caminho é o Espiritismo e por essa razão, a terapêutica, NÃO deve ser agregada às atividades dos Centros Espíritas.
Finalizando o Seminário, Divaldo realizou com os participantes do encontro uma Visualização Terapêutica, após a qual se despediu de todos augurando votos de muita paz e confiança em Jesus, nosso Modelo e Guia, relembrando-nos de que Ele está capitaneando essa nau – a Terra – que de forma alguma se encontra à matroca, abandonada ou sem rumo.
Confiemos e cumpramos com os nossos deveres.

Divaldo Franco - Seminário Vidas Vazias - Parte 2

São Paulo 08 de fevereiro de 2020
    Fotos: Edgar Patrocinio
    Texto: Djair de Souza Ribeiro

A manhã ensolarada do sábado 08.02.2020 veio encontrar os 325 participantes de o Seminário “Vidas Vazias” em positiva expectativa com relação ao encontro com Divaldo e suas considerações.
Dando início ao desenvolvimento do tema, Divaldo aborda a uma narrativa que atribui a Albert Einstein uma carta à sua filha Lieserl sobre a força universal do amor, sendo a mais significativa das “forças” constitutivas de todo o Universo (Gravidade, Eletromagnetismo, Força Nuclear Forte e Força Nuclear Fraca). É uma mensagem linda, oferecendo uma abordagem universal que fala da essência da condição humana e do nosso anelo incessante de crer na força conquistadora do amor.
Em seguida Divaldo aborda o Pai da Psicologia Analítica e destaca (entre os componentes da Estrutura do Psiquismo) os Arquétipos – localizados no Inconsciente Coletivo e que na definição do renomado Psicólogo austríaco são e representam as marcas antigas existentes em nosso histórico evolutivo. São os registros (imagens e emoções) evolutivos de nossas experiências transatas e que se aglutinam em torno de núcleos (pai-, mãe, filho, cidadão etc.). É uma espécie de sistema de prontidão para a ação.
Segue Divaldo, referindo-se agora às questões da hereditariedade e do Evolucionismo onde se destacou Charles Darwin. A Paleontologia ilustra – por intermédio de fatos – que os primeiros habitantes da Terra são as células albuminoides, as amebas e os organismos unicelulares que se multiplicam rapidamente nos oceanos dando – após bilhões de anos -  ao surgimento dos peixes, posteriormente os anfíbios, depois os répteis, em seguida as aves e finalmente a CLASSE dos mamíferos.
Nessa classe vamos encontrar a FAMÍLIA dos Hominídeos do qual derivam os diversos GÊNEROS que a compõem: Orangotango, Chimpanzé, Australopiteco e o HOMEM. No genêro Homem vamos subdividir em várias ESPÉCIES (Homo Habilis, Homo Erectus, Homo Neanderthal, Homo Sapiens).
Todavia os estudiosos se deparam com uma questão que por séculos vem permanecendo sem resposta: Trata-se de o Elo Perdido que vem a ser o último ancestral comum aos Gêneros Chimpanzés e Homem.
Esse “salto” evolutivo que não deixou registros fósseis encontra explicação nas páginas de o livro “A Caminho da Luz” de Emmanuel pela psicografia de Chico Xavier, que nos revela que esse “salto” foi propiciado pela emigração de Espíritos oriundos de um dos mundos que orbitam a estrela de Capela, dali banidos por força da transição moral da humanidade dessa Região do Cosmo.
Graças a essa transmigração de Espíritos mais adiantados intelectualmente, porém poucos desenvolvidos moralmente, reencarnam-se no seio da Humanidade Terrestre Nativa e vem auxiliá-la no progresso tecnológico. Nesse processo – de auxiliar  a Humanidade - evoluem moralmente, permitindo-lhes retornar às origens.
A Humanidade segue sua trajetória em direção à iluminação interior, produzindo nesse périplo os eventos trágicos que pontuam na historiografia humana, impulsionados pelo apego às conquistas imediatistas e vazias de objetivos transcendentais.
Para auxiliar a Humanidade – destroçada pelo materialismo – a superar essas vicissitudes, a Misericórdia e a Compaixão Divina, vem proporcionar impulso para a transição da Humanidade do Nível moral de Provas e Expiações para o passo seguinte da Escala Moral: o mundo de Regeneração.
A transmigração de Espíritos – desenvolvidos moral e intelectualmente – veem ocorrendo, trazendo-os desde um dos mundos da estrela de Alcione, que auxiliar-nos-á a superarmos essas situações que trazem sofrimentos inomináveis à toda Humanidade.
Prosseguindo no desenvolvimento do tema, Divaldo pontua que muitos preenchem o vazio existencial com fúteis e vãs expectativas e agasalham ideias infrutíferas. Por essa razão – na atualidade – o normal não chama a atenção e nem desperta o interesse, mas sim os comportamentos exóticos, esdrúxulos e agressivos que passou a ser a conduta prevalecente.
Surgem escritores proliferando as ideias niilistas, materialistas questionando a existência de Deus e os valores morais.

domingo, 9 de fevereiro de 2020

Divaldo Franco - Seminário Vidas Vazias - Parte 1

São Paulo 07 de fevereiro de 2020
Entre os dias 07 e 09 de fevereiro de 2020, como ocorre – bi anualmente - há mais de vinte anos, o Hotel Jaraguá, no centro da cidade de SP foi escolhido para recepcionar os mais de 300 participantes do Encontro com Divaldo Franco, organizado pelo Centro Espírita Bezerra de Menezes de Santo André. Desta vez foi eleito o tema “Vidas Vazias”.
Divaldo dá início ao desenvolvimento do tema referindo-se ao comportamento agressivo e niilista da Sociedade humana. Em seguida Divaldo cita o filósofo grego Sócrates (469-399 a.C.) e a visita ao Oráculo de Delfos no qual está inscrito no pórtico a frase “Conhece-te a ti mesmo”.
Cerca de 23 séculos mais tarde, Allan Kardec – em O Livro dos Espíritos - indaga na questão 919: Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?
Os Espíritos Superiores respondem: “Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo”.
O que é que – realmente - nos falta, pois a palavra “VAZIO” evoca um espaço determinado para o qual há lugar para ser preenchido, mas com o quê?
Para ilustrar essa questão, Divaldo refere-se aos fatos envolvendo o médico psiquiatra austríaco Dr.Viktor Emil Frankl (1905-1997) fundador da escola da Logoterapia, que explora o sentido existencial do indivíduo e a dimensão espiritual da existência.
Durante a Segunda Guerra Mundial, o Dr. Frankl, junto com toda a família, é feito prisioneiro e levados aos campos de concentração.
Após longos anos de subalimentação e maus tratos o Dr. Frankl adoece, o que representava uma sentença de morte, pois os nazistas encaminhavam os incapazes para as câmaras de extermínio. Para evitar que isso ocorresse o Dr. Frankl se mantém consciente e em pé e ocupando a sua mente e escrevendo – com papéis roubados do escritório do administrador nazista -  seu livro que pretendia publicar um dia para testemunhar os horrores do Holocausto.
De retorno a Viena, o Dr. Viktor Frankl volta a clinicar e publica uma obra autobiográfica intitulada Em busca de Sentido: Um Psicólogo no Campo de Concentração. Alguns anos mais tarde publica o livro “O Homem em Busca de Sentido”.
“Se percebemos que a vida realmente tem um sentido, percebemos também que somos úteis uns aos outros. Ser um ser humano, é trabalhar por algo além de si mesmo. A vida para ser digna tem que ter um objetivo”.
Partindo da premissa de que a viagem de iluminação interior – o conhece-te a ti mesmo - se alonga por uma larga trajetória, a ser vencida com sacrifício e vontade bem direcionada Divaldo ilustra a questão tomando como referência o livro “Os Quatro Compromissos” do autor americano-mexicano tolteca Miguel Ruiz.
Possuidor de uma extraordinária cultura, Divaldo nos esclarece que o povo Tolteca viveu há cerca de 5.000 anos habitando as regiões onde hoje se situa o México e o Panamá.
Vários filósofos e cientistas Toltecas se concentraram na cidade de Teotihuacán, com o propósito de estudar a sabedoria espiritual de seus antepassados que era encarada como uma fonte Divina de felicidade e amor demonstrando que a ética contemporânea é tão remota quanto a arte de pensar que um dia ergueu uma criatura do barro carnal e elevou-a às culminâncias do Universo, mediante a constatação de que a vida está vinculada a quatro compromissos morais e que a verdadeira felicidade é consequência daquilo que se pensa e depois daquilo que se emite (verbal ou graficamente).
Os Xamãs Toltecas elaboraram um método permitindo ao povo assumir uma nova postura na vida mediante o desenvolvimento de um novo comportamento onde as pessoas deveriam assumir quatro compromissos em todas as atitudes na vida para consigo, com o próximo e para com a Força Geradora:
1. SEJA IMPECÁVEL COM A SUA PALAVRA: A impecabilidade da palavra é o de dizer sempre a verdade. Sendo o primeiro compromisso entende-se ser o de maior importância uma vez que a palavra é o mais poderoso instrumento que possuímos, e tanto pode ser usado para nos escravizar ou expressando nosso poder criativo.
É na palavra que está centrada a nossa estrutura ético-moral (A boca fala do que está cheio o coração. Jesus - Mateus 12:34).
A palavra tem uma importância inimaginável, pois pela força do verbo materializamos nossos pensamentos e estes, uma vez materializados, nos trarão benefícios ou prejuízos, e igualmente todos que nos ouviram. A palavra não é apenas um som ou um símbolo gráfico ou pictórico que se lê.
A palavra exprime força, energia e tanto constrói como destrói.
Jesus, Modelo e Guia da humanidade atento a isso nos ensinou: Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna. Mateus 5:37.
Jesus já deixava muito claro que somente possui a palavra impecável, aquele que tem uma vida impecável.
2- NUNCA TOME PARA SI AQUILO QUE É DIRIGIDO PARA OS OUTROS - NÃO LEVE, NUNCA, A MÁGOA DENTRO DO SEU CORAÇÃO. : Não levar em consideração os comentários e ofensas a nós dirigidas sem uma criteriosa análise e, principalmente, não levar nada para o campo pessoal, não permitindo, assim, que a mágoa e o ressentimento façam morada em nosso íntimo, que se tornam tóxicos corrosivos a dilapidar nossa saúde.
3- NÃO TIRE CONCLUSÕES SOBRE NADA: O conhecimento não tem ponto final, ele prossegue, razão pela qual devemos estar sempre aberto a revisões e alterações dos nossos conceitos. Temos o hábito de tirar conclusões sobre tudo que nos chega à percepção. A conclusão equivocada passa a ser considerada como “verdade” e, então petrificamos nossa opinião de que aquilo que pensamos é verdadeiro e tiramos conclusões sobre o que os demais fazem.
4- QUANDO VOCÊ FIZER ALGO, FAÇA-O MUITO BEM, DANDO SEMPRE O MELHOR DE SI: Este compromisso deve ser incorporado na mente e no seu comportamento. Dê sempre o melhor de si em tudo o que você faz. Em qualquer circunstância devemos fazer o melhor possível e sem esperar qualquer recompensa, posto que temos o hábito de esperar o reconhecimento pelas nossas ações e quando este não nos chega no prazo que ansiamos, nosso ímpeto e dedicação vai diminuindo de intensidade, portanto, não aguarde recompensa por agir corretamente. Simplesmente faça o seu melhor e assim a sua satisfação interior será a sua maior recompensa.
Divaldo aprofunda a sonda de suas análises e ilustra – com a força poderosa do pluralismo de seu conhecimento – e aborda a questão da Religião.
Pouco mais de 11% da população mundial declara NÃO professar nenhuma religião, significando que mais de 6.600.000.000 pessoas creem em Deus, independentemente da nomenclatura.
Então, por qual razão a humanidade enfrenta essa situação? Seriam os 11% de ateus os únicos responsáveis por essa condição?
O problema não é a falta de Religião, mas a ausência ou a precariedade da RELIGIOSIDADE das criaturas humanas, muito mais preocupadas em atender aos dogmas – muitos provados pela Ciência como inverossímeis – da Religião professada, em detrimento dos conceitos morais mais profundos e libertadores. O próximo é – agora – o inimigo a ser destruído, moralmente ou até mesmo fisicamente,
Pessoas portadoras de profundos conflitos e devastadores complexos, vazios de conteúdo moral desrespeitam os símbolos religiosos dos demais e incapazes de ombrearem com as figuras impolutas – Gigantes morais e referência de amor – buscam arrastá-las para o lixo moral e o monturo existencial em que chafurdam.
Preparando os ânimos para os dias subsequentes Divaldo faz um convite aos participantes: Que reflitam sobre qual é a razão existencial que move a cada um de nós e que elejam um ideal:
— Eu me prometo que nesses três dias eu vou me sentir feliz.
    Fotos: Edgar Patrocinio
    Texto: Djair de Souza Ribeiro


(Informações recebidas em email de Jorge Moehlecke)

domingo, 22 de dezembro de 2019

Jesus e Reencarnação - Mansão do Caminho

Tivemos neste sábado (21.12.2019) na Mansão do Caminho o chamado Aulão, espaço para reflexões que nesta data abordou o tema Reencarnação, contando com a presença de Juan Danilo Rodrigues, da Mansão do Caminho, Laudelino Risso, de Cascavel, PR, e do Dr. Leonardo Machado, Psiquiatra pernambucano, tendo Divaldo Franco como condutor dessa atividade, que foi dividida em três partes.
O primeiro a falar foi Juan Danilo, a quem Divaldo cognominou O Cantor do Evangelho, que discorreu sobre suas experiências de observação de fatos que lhe atestaram a autenticidade da reencarnação, como resposta plausível para a explicação dessas ocorrências, tendo-se em vista o amor infinito que Deus tem por suas criaturas. Por esta razão, ressaltou ele que a reencarnação é oportunidade que temos de aproveitar para o aprendizado do verbo amar e exercitar o Bem, rotas seguras que conduzem à plenitude, por possuir o dom de produzir uma força interna capaz de superar a dor que se faça presente na jornada terrena para os que sabemos haver uma planificação divina atuante em nossas vidas.
Na sequência, Laudelino Risso abordou, de forma brilhante, os fatos históricos que entronizam a reencarnação como um Lei natural, citando a passagem bíblica do encontro de Jesus com Nicodemus e a retirada de seu ensino, no ano de 553, através do Concílio de Constantinopla II, por parte da Igreja Católica. Citou, também, as inúmeras manifestações dos Espíritos contidas na obra O Céu e o Inferno, de Allan Kardec, que narram as causas do sofrimento e felicidade fruidos, como resultantes da Lei de Reencarnação, bem como o caso de crianças de tenra idade aprisionadas em corpos deficientes a sofrerem com crueis enfermidades, ou, dotadas da precocidade de gênio. Sendo Deus o autor dessas vidas, onde a atribuição de tão diferentes destinos, sendo Ele infinitamente Justo e Amoroso? Questões de preferência divina? Incompativel com a Suprema Perfeição... Buscar o sentido da vida para vivermos como verdadeiros cristãos, foi a sua conclusão final.
O terceiro palestrante foi o Dr. Leonardo Machado, com a temática que ressalta a influenciação que exercemos uns sobre os outros e que prolongam-se para além de uma vida física. Abordou, então, alguns casos da sua vivência na psiquiatria, como a de um jovem de dezoito anos, esquizofrênico, de Recife. Colocado o seu nome para a sondagem das causas da sua perturbação em sessão mediúnica, resultou ter sido esse jovem um cruel general a comandar pequeno exército de um senhor feudal, que promoveu atrocidades, sendo agora perseguido espiritualmente por suas vítimas. A dor chega de uma forma ou de outra em nossa existência, por efeito da Lei de Causa e Efeito. Quando pensamos em reencarnação, pensemos nessas ligações que ocorrem entre os seres humanos, e o valor das influências que surgem para a edificação de nossas vidas, como o faz Divaldo Franco para o nosso despertar espiritual, na sua coragem e destemor de realizar tamanho empreendimento de amor - concluiu o Dr. Leonardo.
Com breves considerações Divaldo Franco encerrou este encontro.
Texto e fotos: Delcio Carvalho