quinta-feira, 21 de junho de 2018

Registro. Divaldo Franco foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz/2018. E o benfeitor Kailash Satyarthi visitou-o em 15/06/2018

Washington L. Nogueira Fernandes

Envidamos um grande esforço, no Brasil e em alguns Países, juntamente com a amiga Rejane Planner, engenheira nuclearda ONU (residente na Áustria), para indicação do Humanista/Educador/Orador espírita Divaldo Franco, ao Nobel da Paz/2018. Foram procuradas cerca de 40 pessoas, de vários Países, habilitadas para fazer a indicação, conforme determina os Estatutos da Fundação Nobel, que coordena esse Prêmio.
Foram eles: Membros do Governo de Estado (da esfera Federal), Professores universitários(e eméritos), de Direito, Reitores/Diretores de universidades, Membros atuais do Comitê Nobel Norueguês. Felizmente, conseguimos cerca de 15 pessoas habilitadas que o indicaram. Tivemos notícia que mais de 300 pessoas foram indicadas ao Prêmio Nobel da Paz/2018! O ganhador só será conhecido no fim do ano. O que estiver no Programa Superior da Vida ocorrerá...
Curiosamente, no dia 25/06, o indiano Kailash Satyarthi (1954-),que ganhou o Prêmio Nobel da Paz/2014, visitou e foi conhecer Divaldo e o trabalho social/educacional da Mansão do Caminho, ficando impressionado/e encantado com o que viu... Kailash ficou conhecido por ter trabalhado pelo direito das crianças, e contra o trabalho infantil.
Também participou desse momento o Ministro Lelio Bentes Correa (1965-), Corregedor-Geral da Justiça do Trabalho.
Foi um importante encontro, de dois grandes Pacificadores da História da Humanidade...
- Ministro Lelis Bentes, KailashSatyarthie Divaldo Franco
Divaldo apresentando a Casa de Parto Natural para KailashSatyarthi e Ministro Lelis Bentes
Divaldo apresentando a Creche da Mansão do Caminho para KailasSatyarthi e Ministro Lelis Bentes

domingo, 17 de junho de 2018

Divaldo Pereira Franco no C.E. Caminho da Redenção Salvador, BA

16-06-2018

Ao iniciar a doutrinária da noite de sexta, 16-6, Divaldo, mencionando a palestra da última quinta, 14-6, quando citou o episódio no qual o presidente Trump, no seu discurso, incentivou a prática da oração aos americanos, recordou a proposta que formulou aos presentes naquela oportunidade, no sentido de incorporar a oração no curso do dia, observando seus desdobramentos até sábado. Divaldo ouviu, com entusiasmo, três voluntários da plateia que narraram suas experiências.
        Ato contínuo, Divaldo deu prosseguimento ao tema, discorrendo sobre a cura e a oração, fazendo menção ao caso narrado no livro intitulado “Milagres de Lourdes, fragmentos de um diário”, de autoria do biologista francês, Dr. Alexis Carrel, que se dirigiu em 1903 até a cidade de Lourdes na tentativa de comprovar a falsidade dos milagres ocorridos naquela localidade. No entanto, presenciando a cura de Marie Lebranchu, Dr. Alexis Carrel reconheceu a magnitude do fenômeno, aparentemente inexplicável.
            Divaldo reforçou o alerta sobre a importância de cultivar pensamentos salutares, idealistas e otimistas. Destacou que a hora vazia e a angústia devem ser preenchidas com a oração habitual, e que devemos envidar esforços, com vistas a repelir pensamentos repetitivos, deprimentes, os quais devem ser substituídos por outros mais elevados. Ao encerrar a doutrinária, Divaldo destacou que cabe ao espírita a coragem de amar, de constituir e viver valores éticos. Narrou a experiência do encontro faternal da tarde de sexta, 15-6, com o ativista indiano Kailash e Ministro Lélio Bentes, formulando, mais uma vez, agradecimentos, dividindo com o público os momentos inolvidáveis do encontro.
  Texto: Manoela Hermes
   Fotos: Jorge Moehlecke

Evangelho com Divaldo Franco - Mansão do Caminho Salvador-BA

16-06-2018.

Nesta bela manha de sábado, 16/06/2018, Divaldo Pereira Franco visitou o Recanto Waldir Beira. Local encantador localizado dentro da Mansão do Caminho, com mata Atlântica virgem, pássaros, macacos sagui, gansos, carpas e outras espécies.
Amigos do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e da Mansão do Caminho desfrutaram da presença de Divaldo e do belo local.
Divaldo, aproveitando o momento, solicitou a leitura do Evangelho Segundo o Espiritismo e ao abri-lo, deparamo-nos com o Capitulo 15 Fora da Caridade não há Salvação.
Os amigos presentes, após a leitura, explanaram sobre o tema levando-nos a profundas reflexões e proporcionando-nos uma profunda Saudade do Mestre Jesus.
A necessidade de nos doarmos em vez de darmos coisas.
Logo após os breves comentário dos amigo, Divaldo presenteou-nos com sua interpretação, levando-nos as lágrimas.
A história do escritor Russo, Leon Tolstoi, “Visita de Natal”.
Um aldeão russo, muito devoto, constantemente pedia nas suas orações que Jesus viesse visitá-lo na sua humilde choupana.
Na véspera do Natal sonhou que Jesus iria aparecer-lhe, teve tanta certeza da visita que, mal acordou, levantou-se e começou a pôr a casa em ordem para receber o hóspede tão esperado.
Uma violenta tempestade de neve acontecia lá fora.
E o aldeão continuava com os afazeres domésticos, cuidando também da sopa de repolho, que era o seu prato predileto.
De vez em quando observava a estrada, sempre à espera…
Decorrido algum tempo, viu que alguém se aproximava caminhando com dificuldade no meio da neve. Era um pobre senhor, mal vestido e sujo, que próximo a sua porta tomba devido a fome.
Compadecido, saiu de casa e foi ao encontro dele. Levou-o para a choupana, repartiu com ele a sopa de repolho. Só o deixou ir embora depois de ver que já tinha forças para continuar a jornada.
Olhando de novo através da vidraça, avistou uma mulher na estrada coberta de neve. Foi buscá-la, e abrigou-a na choupana. Fez com que se sentasse à lareira, deu-lhe de comer, embrulhou-a na sua própria capa… Não a deixou partir enquanto não readquiriu forças suficientes para a caminhada.
A noite começava a cair… E nada de Jesus!
Já quase sem esperanças, o aldeão foi novamente à janela e viu a estrada coberta de neve. Visualizou uma criança e percebeu que se encontrava perdida e quase congelada pelo frio… Saiu, pegou na criança e levou-a para a cabana. Deu-lhe de comer, e não demorou muito para que a visse adormecida ao calor da lareira.
Cansado e desolado, o aldeão sentou-se e acabou por adormecer junto ao fogo. De repente, viu um homem aproximando-se, Era Jesus! Diante do pobre aldeão, envolto numa túnica.
O aldeão diz-lhe:
– Ah! Senhor! Esperei por Ti, o dia todo, e não apareceste…
E Jesus respondeu-lhe:
– “Já por três vezes, hoje, visitei a tua choupana: O homem humilde que socorreste, aqueceste e deste de comer… Era Eu! A pobre mulher, a quem auxiliou … Era Eu! A criança que salvaste da tempestade, também era Eu…” “O Bem que a cada um fizeste, a mim mesmo o fizeste!”.
“porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me”. Matheus 25 : 35-36
Divaldo - finaliza: - “A proposta desta caridade, caridade da renúncia, caridade do amor a alguém, caridade da esperança, e tornar o mundo menos trágico, menos déspota, um mundo mais acessível... Um novo mundo onde aspiramos novos ideais. Ideais mais belos, que nosso riso será o riso de outros, a nossa lágrima será a compaixão ao lado de outras lágrimas, porque somos espíritos em um grande trânsito, a serviço de Jesus”.
Texto: Clelvis Correia
Fotos: Jorge Moehlecke

sábado, 16 de junho de 2018

Kailash Satyarthi, Prêmio Nobel da Paz de 2014, Recebido na Mansão do Caminho. Salvador, BA

 Divaldo Pereira Franco, Embaixador da ONU pela Paz, recebeu na tarde de sexta (16) Kailash Satyarthi, Prêmio Nobel da Paz de 2014. A comitiva foi recepcionada por Divaldo e convidados presentes ao som da banda das crianças da Mansão do Caminho. Kailash é ativista e fundador do movimento Save the Childhood, que tem como objetivo erradicar o trabalho infantil e eliminar o tráfico de crianças, contabilizando mais de 85 mil crianças resgatadas.
        Após percorrerem a extensa área da Mansão do Caminho, visitando a creche, Memorial e Casa de Parto Natural, os convidados seguiram para o cenáculo, sendo recebidos com calorosos aplausos, oportunidade em que assistiram ao vídeo de apresentação das atividades da Mansão e musical com as crianças.
        Ao final, Kailash e o Ministro Lélio Bentes receberam placa das mãos de Divaldo, que agradeceu a visita, concluindo as atividades na tarde dedicada ao encontro da paz.

              Texto: Manuela Hermes
              Fotos: Jorge Moehlecke

Centro Espírita “Caminho da Redenção” Salvador, BA

14-06-2018.

Em mais uma atividade doutrinária Conversando sobre o Espiritismo realizada nessa quinta-feira, 14/6, dedicada ao esclarecimento de temas da Doutrina Espírita, Divaldo Franco, após apresentar a programação das atividades e eventos da Mansão do Caminho, concedeu a palavra ao convidado, Fernando Garcia, de Três Lagoas-MS, que trouxe reflexões sobre o capítulo do Evangelho “A Candeia Debaixo do Alqueire”.
Divaldo, em seguida, discorreu sobre a vigilância quanto aos pensamentos, importância e poder da oração, recordando que “orar é abrir a alma para entrar em sintonia com Deus”.

   Texto: Manoela Hermes
   Fotos: Jorge Moehlecke

sábado, 9 de junho de 2018

Divaldo Franco na Europa. Mannheim, 07 de junho de 2018 Evangelho da Gratidão

Na quinta-feira, dia 07 de junho de 2018, após o encerramento da jornada de divulgação da Doutrina Espírita pela Europa, foi o momento de agradecer por todas as bênçãos alcançadas no trabalho do bem.
O evento, vivamente aguardado, lotou por completo as instalações do Freundeskreis Allan Kardec - Mannheim. A presidente da instituição, amiga e benfeitora que sempre acolhe Divaldo Franco e seus amigos em seu lar, Euda Kummer, iniciou o encontro de gratidão, reverenciando a todos, em especial a Divaldo por atender aos convites e se dispor a estar presente nestas extenuantes atividades de divulgação da Doutrina Espírita na Europa, vencendo inúmeros obstáculos, inclusive na área da saúde.
Dirigindo-se aos presentes, Divaldo Franco salientou o trabalho realizado pelos amigos que o acompanharam neste período na Europa, solicitando ao Dr. Juan Danilo, o amigo querido, que se pronunciasse em breves palavras. Juan, citando Allan Kardec, destacou a importância do estudo das Obras Fundamentais do Espiritismo, bem como o desenvolvimento da educação. A busca pela compreensão através do estudo e das reflexões colaboram para a renovação de conceitos, pois que, todos possuem dificuldades em anular o ego. O Espiritismo, porém, oferece as ferramentas ideais para o crescimento individual, como, também, para fruir a felicidade, agradecendo a oportunidade do convívio fraternal nestes dias transatos.
Na sequência, por solicitação de Divaldo, os irmãos queridos da Espanha, e que acompanharam praticamente todo o percurso desenvolvido no atual roteiro, desde há trinta dias, demonstrando serem incansáveis, deram um exemplo de perseverança, dedicação e alegria, pois que, sempre joviais e participativos, acompanharam, muito próximos, todas as atividades. Através da voz do amigo Manolo, trouxeram sua participação neste Evangelho em família afirmando que há muitos anos já acompanham a caminhada de Divaldo, buscando o reabastecimento nos estudos da Doutrina Espírita, nos trabalhos incessantes apresentados por Divaldo, que não apenas divulga, asseverou Manolo, mas exemplifica com sua vida. Os imensos desafios e os compromissos com a Mansão do Caminho, são superados pelo Arauto do Evangelho e Paz com muita determinação e com o emprego de sua vontade férrea, e sendo detentor de um ânimo inquebrantável, Divaldo Franco prossegue amando, ensinando e servindo à causa do bem.
Em seguida, Jaqueline Medeiros, do Brasil, foi convidada a colaborar com algumas palavras, e gentilmente fez referência a bênção que é o Espiritismo na vida de todos que o abraçaram, e que se tem convertido em bússola segura para a sua existência. Destacou que o estudo e a compreensão desta Doutrina de luz se constituem na presença do amor de Jesus no coração de seus profitentes. Reconhecendo as bênçãos e o amparo dos Benfeitores espirituais, enalteceu a proteção posta a disposição dos integrantes deste roteiro de luzes que ora finaliza, tendo em vista a complexidade das muitas viagens e dos inumeráveis compromissos, em diversas cidades e países.
O próximo convite, para que se pronunciasse, foi feito para aquela que vem há mais de vinte anos traduzindo Divaldo Franco ao idioma alemão, a querida amiga Edith Burkhard, que se referiu à alegria pela oportunidade de traduzir Divaldo, permitindo que a sua mensagem de paz chegue à compreensão dos alemães através da sua tradução. Sente-se renovada e honrada, afirmou, por integrar esta equipe de lidadores do bem, nas atividades de divulgação desta Doutrina de luz.
A querida amiga Zelina, do grupo de Luxemburgo, e que também acompanha sempre as atividades desenvolvidas por Divaldo Franco, ofertando o seu exemplo de abnegação e dedicação à sua autoeducação e à causa do bem, sendo convidada a se pronunciar, destacou o seu profundo sentimento de renovação espiritual por estar em contato com a Doutrina Espírita e com todos os que a divulgam nestes encontros iluminativos, dizendo sentir-se profundamente agradecida pelas oportunidades de aprendizado.
A noite estava muito agradável, uma leve chuva caía caprichosamente, auxiliando a diminuir o calor intenso que se abate sobre a Alemanha nestes dias. Por fim, Divaldo Franco, muito inspirado e renovado pela alegria do êxito na conclusão de tão significativos compromissos, referiu-se à Jesus de Nazaré, que, embora sendo sempre confrontado, apresentou à Humanidade uma doutrina revolucionária, não castradora, mas de amor e de liberdade. Enquanto o Espiritismo discorre sobre a vida eterna, os homens, por vezes, permitem que as preocupações fúteis dominem as suas emoções, tal é o estado de infância emocional em que se encontra, e que ainda se deixa fixar.
Falando com propriedade, pois entregou parte de sua infância, sua juventude, e toda a sua vida adulta ao trabalho no bem, afirmou que o Espiritismo, figurativamente se assemelha a um túnel, quando se entra e se aprofunda um pouco é possível ver, no seu final, a presença da claridade, e o espírita, avançando e tropeçando na escuridão, pode observar que, cada vez mais, a luz se aproxima. Embora a presença dos desafios, todos caminham para um amanhã melhor.
Que Jesus é este, que é capaz de penetrar em nossa alma como um punhal de luz, e que faz sangrar até que a paz tome conta de nós? Eu abandonei meus sonhos juvenis, afirmou o ilustre orador, abandonei meus pais, minha família, e ao lado de um fiel amigo e irmão, fui buscar, nos pantanais da sociedade, crianças que eram vendidas ao preço de uma garrafa de alcoólico, para adotá-las e educá-las com amor, porque acredito na palavra do amigo de Nazaré: - Nunca te deixarei a sós.
Ao finalizar, apresentou uma mensagem com um toque de advertência, afirmando que há um grande desafio para o qual devemos ter muita atenção, é a presença dos desencarnados em nossas vidas. Todos procedemos de um passado normalmente de imperfeições, deixamos muitas decepções e equívocos pelo caminho, e estes inimigos desencarnados, hoje, nos vem cobrar. Lembrem-se, sempre, de orar, ressaltou, entregar-se à Deus, recebendo, nem sempre o que pedimos, mas o que necessitamos e não o sabemos.
Foi um encontro inesquecível, uma verdadeira reunião em família. A pequena sala, completamente lotada, estava saturada de vibrações de amor e paz. Vivemos momentos de testemunhos, porém não estamos a sós, Jesus prossegue no Leme desta grande embarcação, o amado planeta escola para todos nós. O encontro do Evangelho da Gratidão foi encerrado em clima de alegria, de paz e de expectativas para o reencontro no ano vindouro.
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Divaldo Franco na Europa Stuttgart, 06 de junho de 2018. Conferência

No entardecer de 06 de junho de 2018, quarta-feira, lá estava o incansável trabalhador do Cristo, Divaldo Franco, que logo após desembarcar no aeroporto de Stuttgart, na Alemanha, foi atender o convite do Spiritistischen Studienkreis' Allan Kardec Gruppe S.E.E.L.E e.V. - de Stuttgart, para discorrer sobre a vida. Contemplando as necessidades de compreensão dos locais, a conferência contou com a tradução de Edith Burkhard para o idioma alemão. Assim, Divaldo Franco encerrou, com esta atividade, um ciclo de 29 dias, passando por treze cidades de nove países europeus, como faz já há trinta e dois anos, divulgando o Espiritismo e o Evangelho de Jesus.
Apresentando o tema e ambientando o público, Divaldo Franco iniciou a sua conferência perguntando, o que é a vida? Talvez, na área da filosofia, seja uma das mais difíceis definições. Aristóteles afirmava que a vida é um dos grandes mistérios, um fenômeno inexplicável que se apresenta em multifaces. Segundo o Dr. Cressy Morrison, diretor do museu de Nova Iorque, a vida é um milagre, é um químico fabuloso, consegue transformar matéria em decomposição em perfume de flores. Albert Schweitzer, construindo na África o novo mundo da solidariedade do século XX, afirmava que é necessário que o ser humano tenha respeito pela vida.
Nesta hora de tecnologia, este ser predador, que é o homem, vem ameaçando a vida em suas várias manifestações. Abordando o pensamento e a consciência, Divaldo Franco discorreu sobre os seus conceitos e consequências, fazendo referência a George Gurdjieff e os quatro níveis de consciência. Demonstrando a fragilidade em que o homem ainda se debate, o orador por excelência fez forte advertência sobre o medo e a posse. Quanto mais o ser humano tem, mais deseja ter, porque não se restringe em possuir, quer sempre mais, possuir mais e, nesta luta pela posse, é possuído, quer controlar, e é controlado.
Sugeriu, então, o lúcido orador, possuir, sim, mas sem depender, ou seja, ser o seu mordomo, e não manter o hábito de ser o dono, pois, por mais durável que seja a posse, ela é sempre transitória. A vida física é passageira, e a sua transitoriedade está sustentada pelas emoções. Todos têm um desafio, isto é, viver, que não é apenas um ato de respirar e mover-se, é, também, o fenômeno se sentir, se perceber vivo e, para tal, é fundamental se estabelecer uma meta para a sua vida.
Na atualidade há uma sociedade rica de tecnologia, porém, com ausência de metas. A vida atual transcorre freneticamente, impedindo o homem de pensar, meditar, reflexionar. O Espiritismo surgiu, então, formulando uma resposta, faz uma análise profunda da filosofia clássica, contemporânea e existencial, afinal, todos desejam ser felizes. O advento do Espiritismo foi uma evolução diante do pessimismo das doutrinas religiosas da época.
Apresentando as excepcionais qualidades do maior psicoterapeuta da humanidade, Jesus, o Trator de Deus, conforme Chico Xavier designava Divaldo Franco, afirmou que o Evangelho de Jesus oferece à Humanidade as respostas para acalmar as ânsias do coração, o ardor da ansiedade, e para aquecer a algidez dos sentimentos. Ministrando uma verdadeira aula de autoconhecimento, o orador de escol sugeriu que todos façam a viagem para dentro de si, em busca de um sentido existencial e, através de um trabalho de natureza moral, alcançar, portanto, a plenitude.
A vida possui muitos desafios normais e muitos outros paranormais, o Espiritismo é a resposta para uma vida feliz. Allan Kardec foi o primeiro a provar cientificamente a sobrevivência da alma, e a morte deixou de ser o fim, tornando-se em portal para a dimensão espiritual, igualmente apresentou provas sobre a origem, a natureza e o destino dos Espíritos, bem como sobre a comunicabilidade com o mundo corpóreo.
Encerrando profícua atividade, afirmou:
A vida é bela;
Ponha sol na sua vida;
O milagre da vida é amar;
O mal que nos faz mal, não é o mal que nos fazem, mas, é o mal que nós mesmos fazemos, porque isto nos torna maus.
Em nobre gesto de gratidão e reconhecimento por parte dos assistentes, Divaldo Franco foi aplaudido de pé, intensamente, demoradamente. As vibrações de amor e paz pairavam no ar, oferecendo, assim, a oportunidade para que todos dali saíssem perfeitamente renovados, pelo amor em movimento.
Retornando para a cidade de Mannheim, de onde retornará à Salvador, no Brasil, após atender e cumprir os graves compromissos assumidos, ou seja, o de propalar o Evangelho de Jesus, o Semeador de Estrelas, uma vez mais, saiu a semear. Semeou as bases do Espiritismo, e os frutos opíparos já se fazem notar hoje, comprovando-os pelas diversas sociedades e grupos espíritas que ele ajudou a fundar e que consolam almas e elucidam mentes. Assim, o Espiritismo adquiriu cidadania na Europa e no mundo. Divaldo Franco, temos uma dívida de gratidão para contigo! Rogamos a Jesus e a Joanna de Ângelis te abençoar.
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Divaldo Franco na Europa Berlim, 05 de junho de 2018. Conferência

Na noite de 05 de junho de 2018, terça-feira, Divaldo Franco, atendendo ao convite dos espíritas do Studien-und Arbeitsgruppe Joanna de Ângelis e.V. - SAJA, de Berlim, proferiu conferência pública com o tema “Schmerz - Leid – Heilung” - Dor - Sofrimento - Cura -, e contou com o eficiente auxílio deEdith Burkhard na tradução para o idioma alemão.
Ao iniciar as atividades da noite, lamentando não falar o idioma alemão, fazendo-se entender, porém, através do idioma internacional do amor, Divaldo Franco asseverou que a busca do ser humano na terra, desde os primórdios é a felicidade, e uma das mais importantes áreas para a aquisição da felicidade é a saúde. Discorrendo sobre a história da evolução do ser humano, desde o período pré-socrático, Divaldo esclareceu que aqueles filósofos haviam concluído que a vida humana era constituída de dois elementos, o ser e o não ser.

A filosofia idealista de Sócrates, o mundo das ideias, e as conclusões de Platão levaram o homem a compreender que ele, o homem, voltava várias vezes até atingir o estado de luz. Com o Platonismo, surgiu, então, o espiritualismo. Percorrendo o pensamento proposto pelo Atomismo grego, até alcançar a atualidade com o Materialismo e o Espiritualismo, Divaldo Franco expôs o trabalho desses pensadores que procuravam responder sobre a felicidade, a vida e a morte, a dor, o sofrimento e a cura.

Apresentando as conclusões a que chegou Sidarta Gautama, o Buda, sobre o sofrimento, Divaldo discorreu sobre as quatro grandes verdades: 1) Todos os seres estão sujeitos ao sofrimento; 2) O sofrimento surge de causas específicas; 3) Eliminando as causas, o sofrimento é eliminado; e 4) O sofrimento e suas causas são eliminados. É o fim do caminho de sofrimento.
Eis que surge um Homem na face da Terra, é um Judeu, de Nazaré, Ele sobe em uma montanha e diz que a verdadeira felicidade não é ter, porque o que se tem se pode perder, mas a felicidade é ser melhor a cada dia. Então, Jesus foi o mais notável filósofo da humanidade, nada escreveu, mas as suas palavras penetraram a alma humana de tal forma que se tem a sensação de que foram pronunciadas ainda ontem. Em Jesus, esclareceu o hábil orador, o ser humano encontra uma filosofia para superar a dor e o sofrimento. Dor é sensação, a dor física leva ao sofrimento, porém o sofrimento moral somatiza e o indivíduo adoece. Quem cultiva a raiva, certamente terá distúrbios gástricos, o ódio derruba as defesas orgânicas e a criatura humana fica vulnerável às enfermidades.

Entre Jesus e os dias atuais surgiu o Espiritismo, uma ciência que estuda a origem, a natureza, o destino dos Espíritos e as suas relações com o mundo material. Viver é uma bênção, a lição da dor e do sofrimento, minimizadas pelo avanço da tecnologia, com o emprego dos recursos farmacológicos - barbitúricos, anestesias, antibióticos e outros -, são importantes, porém, nenhum deles é capaz de enxugar as lágrimas da saudade, da ausência do ser amado.
O Espiritismo orienta os indivíduos a seguir a ética do bem e, O Livro dos Espíritos, e as questões ali expressas, respondendo a todos os conflitos do pensamento humano, projetando luz na ignorância, é poderoso auxiliar para que o ser humano transforme o ego, saindo do ego-homem, para o ego-Cristo.
Se o homem optar em amar, a servir e dar sentido a sua vida, naturalmente se sentirá feliz, e suas dificuldades ficarão menores. A tarefa é a de tornar o difícil em fácil, assim, simplificando, será possível adquirir felicidade.

Encerrando a brilhante conferência, profundamente inspirado, o Arauto do Evangelho e da Paz elucidou que vale a pena ser feliz, basta uma atitude emocional, um sorriso, uma palavra gentil, a honra de ser você quem ajuda, contribuir para a felicidade alheia. Deus nos deu tanto, e nós, às vezes, somos tão ingratos, seja você aquele que ama.
Muito aplaudido, era possível perceber a euforia que envolveu os presentes no auditório, afinal, Divaldo é um trabalhador do Cristo que, além de expor o que vive, discursa com a alma. Sentindo o amor do seareiro do Cristo, que veio e lançou novas e excelentes sementes no solo dos corações dos amigos de Berlim, seu verbo marcou-os indelevelmente e, certamente, se lembrarão destas mensagens e da noite ímpar em suas vidas.
Após um rápido lanche na sede do SAJA, o incansável Divaldo Franco apressou-se em retornar ao hotel, pois, amanhã, 06 de junho de 2018, será o último compromisso do programa doutrinário em terras europeias. O dia não terá ainda se mostrado, mas ele já estará no aeroporto de Berlim, muito cedo, rumando para Stuttgart, porque ele sabe: Jesus conta conosco...

Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

terça-feira, 5 de junho de 2018

Divaldo Franco na Europa. Berlim, 04 de junho de 2018 Conferência com Juan Danilo

Nas primeiras horas da manhã de 04 de junho de 2018, segunda-feira, o incansável trabalhador de Jesus, Divaldo Franco, acompanhando de alguns amigos, já se encontrava no aeroporto de Düsseldorf, embarcando para Berlim, onde foi recebido pelos confrades espíritas do Studien-und Arbeitsgruppe Joanna de Ângelis e.V. - SAJA, e conduzido ao hotel para se refazer da viagem e se preparar para o encontro que estava marcado para o final da tarde na sede do SAJA.
Sem perda de tempo e para bem aproveitar as oportunidades de levar o conhecimento e a experiência na divulgação da Doutrina Espírita, Divaldo Franco e os que o acompanham no roteiro de divulgação doutrinária na Europa foram recebidos com muita alegria e entusiasmo. Divaldo atendeu aos amigos que o buscavam para cumprimentos, fotografias, uma conversa fraterna, até chegar o momento do início da atividade agendada. Nesta oportunidade, quem conduziu e expôs o tema - O Homem Perante a sua Consciência -, foi o querido amigo Dr. Juan Danilo Rodríguez.
Juan Danilo, introduzindo o assunto, fez referência à questão 621 de O Livro dos Espíritos, onde Allan Kardec indagou sobre onde está escrita a Lei de Deus, obtendo dos imortais, que respondendo, informaram que ela se encontra na própria consciência do ser humano. Dr. Juan adentrou-se pelos caminhos da inteligência, da mediunidade, exemplificando suas afirmativas com alguns exemplos de experiências próprias.
Traçando alguns direcionamentos para desenvolver a consciência em si mesmo, referiu-se à Jesus e ao Seu diálogo com Pilatos, onde aquele, aparentemente vencido, mantém-se vencedor, sobrepondo-se pela Sua moral, pelo Seu amor, asseverando que “Todo aquele que busca a verdade escuta a minha voz”. É fundamental que todas as criaturas humanas tenham um propósito para o seu próprio crescimento. É fundamental, frisou Juan, conhecer o propósito do ser que se é. Esse passo inicial é primordial para começar a transformação, para melhor, de alguns pontos no próprio caráter.
Em seguida, como consequência do propósito traçado, ou seja, o desenvolvimento da consciência, se deve empreender a conquista do autocontrole, trabalhando com afinco e dedicação e, assim, naturalmente o indivíduo se volta para a solidariedade e para a vida, alterando seus propósitos para melhor. Agora, mais equipado o ser dá um novo sentido à vida, porque muda a forma de pensar, e nota que tudo começa a mudar ao seu redor. É o amor como Jesus o apresentou, amando a Deus, ao próximo e a si mesmo.
Quando os indivíduos optam por estes caminhos, asseverou o lúcido palestrante, descobrem um propósito para o seu ideal e começam, naturalmente, a caminhar para a felicidade, porque somente é feliz quem ama. Quando o ideal, que é amar, está fixado no ser, torna-se fantástico, pois o ego transcende a personalidade, aprende a ter um propósito, a ser solidário, a lutar pelo amor, atingindo uma consciência lúcida, transcendente.
Evidenciando a lógica do Espiritismo, Dr. Juan afirmou, ainda, que é uma doutrina de transcendência. Graças à lógica do Espiritismo se pode compreender que todos traçam seus próprios caminhos, para uns mais longos, com perigos, desvios, e para outros, caminhos mais curtos e diretos, porém, todos chegarão ao ideal da transcendência, afinal na Doutrina Espírita se encontram todas as respostas para a transcendência.
Encerrando as atividades realizadas na sede do SAJA, Dr. Juan foi muito aplaudido. E porque o assunto seja sempre palpitante, ainda respondeu algumas perguntas, e despedindo-se de todos, juntamente com Divaldo, retornaram ao hotel para a conferência pública que se fará no dia seguinte.
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno
 (Recebido em email de Jorge Moehlecke)

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Divaldo Franco na Europa Bad Honnef, 03 de junho de 2018

Seminário
No domingo, 03 de junho de 2018, na pequenina Bad Honnef, na Alemanha, teve prosseguimento o seminário em busca pelo herói que existe em cada criatura humana, com Divaldo Franco e Juan Danilo.
Iniciando as atividades, após belíssimas apresentações musicais, Divaldo afirmou que todos possuem um herói interno, e que não tem coragem de mostrar a ninguém. Fazendo referência à Miguel de Cervantes, romancista, e dramaturgo e à sua obra-prima, Dom Quixote, com o sonhador personagem, o orador e médium espírita abordou questões sobre a pureza, as paixões, os castelos, os dragões, fazendo comparações com a realidade do quotidiano. O importante, asseverou, não é ter o nome registrado na história, o importante é fazer o que deve ser feito e a maneira de o fazer.
Todos possuem seus heróis, mas é, também, necessário ser herói, estabelecer uma meta, lutar contra os moinhos de vento, lutar e destruir os monstros internos, os conflitos, as paixões e os velhos hábitos. O que carregas dentro de ti? Perguntou o experiente expositor, afinal em sua longa trajetória, em contato com milhares de pessoas no mundo todo, Divaldo adquiriu grande experiência e viveu muitas ocorrências que lhe permitem explorar o mundo dos conflitos internos, das ansiedades dos seres humanos, com muita propriedade.
Sempre apresentando um toque de humor saudável, conduzindo os interlocutores a um aprendizado suave, conquanto fosse grave a temática abordada, permitindo que a atenta plateia pudesse absorver os conteúdos analisados, sem que percebessem os transcorrer das horas, fazendo deste, um seminário terapêutico, facultando plena renovação em cada participante.
Após ligeira pausa, o Dr. Juan Danilo, psicoterapeuta, acostumado também com os desafios da criatura humana, prosseguiu afiançando que todos trazem no imo do ser, as aspirações e tendências que influem na vida de qualquer ser humano, bem como nas opções que realiza. Naturalmente que incertezas e muitas interrogações surgem no caminho de todos, por isso, estudando a Doutrina Espírita é possível descobrir uma infinidade de recursos, e as dúvidas se vão diluindo nas certezas conquistadas com a compreensão dos conceitos imortalistas propostos pelo Espiritismo. Igualmente faculta, o estudo do Espiritismo, a conquista de uma fé raciocinada, ou seja, crer, mas saber porque crê. Juan Danilo destacou a figura e o trabalho dedicado e ingente do mestre Lionês, Allan Kardec, discorrendo a respeito da sobrecarga e a missão do insigne codificador do Espiritismo, bem como sobre as orientações recebidas do Espírito de Verdade. A Doutrina Espírita resgata conceitos que geralmente passam despercebidos, que estavam esquecidos, ou que eram ignorados, que, no entanto, são de grande importância para bem compreender o papel desta doutrina de lógica e razão.
Após o intervalo para o almoço todos retornaram para ouvir algumas respostas às centenas de perguntas formuladas pelos presentes durante os dois dias de seminário. Aleatoriamente escolhidas, elas foram respondidas com adendos e aprofundamentos sobre os assuntos tratados. Muitíssimo significativo este momento de perguntas e respostas, pois, uma questão formulada pode revelar um questionamento que também outro se possa fazer e que sequer tivesse percebido. É interessante notar que nesses momentos, ao responder, os experientes oradores têm a possibilidade de explorar ângulos e aspectos que enriquecem, ainda mais, a abordagem dos temas.
Se já não bastasse toda a riqueza de conteúdo e oportunidades vivenciadas, Divaldo Franco, inovando, preparou uma surpresa. Eis que ele resolve convidar, inicialmente, pessoas da plateia que somente falassem o idioma alemão, e que auxiliadas pela eficiente tradução de Edith Burkhard, os presentes de origem espanhola e portuguesa puderam perfeitamente acompanhar. A seguir convidou outras pessoas do auditório, qualquer uma delas, que quisessem participar da atividade proposta, que se constituía em responder três perguntas:
O que é um herói para você?
Você se considera um herói?
O que lhe falta para ser um herói?
Divaldo, então, convidou o Dr. Juan Danilo para que, na condição de psicólogo, fizesse uma análise psicológica do convidado com base nas respectivas respostas. Após isto, Divaldo apresentou uma análise, que se poderia chamar de mediúnica, sob a mesma óptica, porém, com uma riqueza de detalhes que absolutamente surpreendeu a todos, especialmente ao próprio voluntário que dificilmente conseguia conter suas emoções, pela fidelidade e profundidade das colocações feitas com muita propriedade. As análises se constituírem, também, em sugestões de direção para o porvir. Todos, muito impactados e surpresos, perceberam que a atividade havia se tornado em um laboratório do próprio seminário.
Ao encerrar, Divaldo Franco e Juan Danilo deixaram uma mensagem de otimismo e bom ânimo. Em reconhecimento e gratidão, o público aplaudiu de pé, efusivamente. Na sequência, um clima de alegria envolveu os presentes no auditório, era o momento das despedidas, já pensando no próximo ano, afinal, o semeador, uma vez colocada as mãos na charrua do bem não olha mais para trás, prossegue sem cessar semeando a boa semente, a semente do amor.
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

(Recebido em email de Jorge Moehlecke)


domingo, 3 de junho de 2018

Divaldo Franco na Europa Bad Honnef, 02 de junho de 2018

Seminário
O sábado, dia 02 de junho de 2018, se constituiu no dia esperado do seminário iluminativo de almas, um convite à busca pelo herói que reside em cada ser humano. Na pequena Bad Honnef encontraram-se mais de trezentas pessoas, previamente inscritas, para o tradicional seminário anual com Divaldo Franco.
Pela manhã Divaldo Franco iniciou o seminário formulando um convite à coragem, pois que os indivíduos estão acostumados a viajar para fora de si, e por isso, a necessidade da coragem para empreender a viagem, agora, para dentro de si. Os valores externos, os mais fáceis de serem conseguidos, criam um herói de fácil declínio. A psicologia do comportamento, afirmou o nobre conferencista, leva o homem até a borda do túmulo, e daí por diante, restam interrogações.
A partir deste ponto, Divaldo discorreu acerca da psicanálise, da psicologia humanista, e do comportamento, adentrando-se na vida do herói além-túmulo, de onde procede a criatura humana, e que se interroga sobre quem é e para onde vai. A psicologia espírita levanta o véu e demonstra a realidade do ser, suas lutas, os desvarios, as conquistas e o porvir. A psicologia espírita é o vir a ser, porque o ser humano está no momento transitório, a caminho do que será. A visão externa é tão fascinante, advertiu, que os indivíduos se deixam envolver e fascinar pelo erotismo, uma vez que tudo é magia para o pensamento. A criatura humana adora viver a fantasia, o encanto, porém, o ideal, que é a beleza, está em quem vê, nem sempre no que é visto.
Encerrando a etapa da manhã, Divaldo arrematou sugerindo que não se deve, nunca, desistir, nem abandonar os sonhos, nem deixar de tentar ser herói. Isto significa não confundir humildade com covardia, muitos são humildes com os poderosos e poderoso com os humildes. Todos saíram reflexivos, pois as colocações de Divaldo Franco foram um convite à visitação ao mundo interior, ainda muito comentado e pouco conhecido.
No início da tarde o Dr. Juan Danilo, médico, psicoterapeuta transpessoal, apresentou, também, suas considerações sobre a palpitante temática, afirmando que o amor é solidário, porém, advertindo sobre as ilusões que o ser humano alimenta e carrega consigo e que o leva a perceber de forma muito equivocada inúmeros eventos de sua vida. Contribuindo para um perfeito equilíbrio, o Dr. Juan enumerou e comentou o decálogo do Caminho do herói:
Reserve um momento para si mesmo;
Esteja disposto a descobrir verdades sobre você;
Aceite o fato de que o mundo que você vive é o reflexo de sua alma;
Reconheça seus medos, mas não se detenha neles;
Aprenda com sua sombra;
Seja sempre um aprendiz;
Direcione sua vida para um propósito superior;
Lute por uma causa justa e guarde seus princípios e valores;
Diga sim a si mesmo, não desista de você;
Aceite o chamado e viva plenamente;
Após as profundas abordagens iluminativas, pois ilustrando estes passos com exemplos próprios e narrativas de histórias pertinentes as metas apresentadas, fez com que cada um dos presentes pudesse se colocar na situação e viver cada meta apresentada, em sintonia com a vida quotidiana de cada um. Juan Danilo fez uma explanação simples e significativa, de fácil compreensão, uma vez que, de fato, o objetivo maior é apresentar uma ferramenta apropriada para a mudança para melhor, tornando a vida fácil de ser vivida.
Ato contínuo, Divaldo Franco, que acompanhava a narrativa do amigo Juan, retomou a palavra fazendo uma abordagem sobre as doutrinas do oriente, no que se refere às virtudes e aos vícios, mergulhando em seguida na figura incomparável de Jesus, apresentando e discorrendo sobre as bem-aventuranças. Este homem, Jesus de Nazaré, que apenas com algumas palavras, sem ter escrito nada, venceu um império de setecentos anos.
Discorrendo sobre a ética, nascida com Platão, comentou sobre Aristóteles, o surgimento da estética, chegando ao conhecimento, a arte de pensar, a busca da perfeição. Porém, com Jesus, em seus ensinamentos, asseverou Divaldo, é que o homem irá encontrar a verdadeira ética, que é o amor, este amor que preexiste a vida e sobrevive ao corpo, pois é a ética da vida.
Allan Kardec, ressaltou o preclaro expositor, é o herói dos tempos novos, ele enfrentou o dragão da ignorância e venceu com a lança do conhecimento. O professor Rivail, em sua monumental obra, sob o pseudônimo Allan Kardec, apresenta a armadura para os heróis, a Doutrina Espírita.
Todos possuem em si, afiançou o Semeador de Estrelas, o Divino pensamento, ainda nublado pelas sombras da ignorância, combatê-la é a proposta da nova era. Afinal, o Espiritismo é este equipamento que dá força, coragem e resistência para o homem vencer a antiética, que de tão intensa, é a sombra na vida dos indivíduos. Somente avançando para o conhecimento Numinoso é que o homem encontrará a plenitude.
O herói está em cada um, é necessário fazê-lo surgir, vencer os dragões do medo, da ignorância, da agressividade, para se transformar em doçura e paz. Esta é uma luta íntima de cada criatura humana, como assevera Santo Agostinho na pergunta 919 de O Livro dos Espíritos.
Finalizando as atividades do dia, e tocando nas fibras íntimas de cada coração que ali buscava conhecer e sentir o amor, Divaldo discorreu sobre a figura do doce cantor de Deus, Francisco de Assis, grande herói medieval que põe o mundo de joelhos aos seus pés, com as armas do amor, da bondade, da renúncia, dos louvores a Deus.
Oitocentos anos depois, Assis, cidade italiana, ainda respira aquele clima, e as papoulas e lavandas de Santa Maria dos Anjos embalsamam a natureza onde ele cicatrizou as feridas dos leprosos. Talvez ainda hoje, nos poentes ricos de beleza, e nas noites de luar, se possa ouvir o uivo longo do irmão Lobo, de Gubbio.
Saudades de termos de volta o cantor da natureza, o amigo das abelhas, das andorinhas, que em sua simplicidade, seguindo as pegadas do mestre de Nazaré, venceu também, ele, o mundo...
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

Divaldo Franco na Europa Bad Honnef, 1º de junho de 2018

Encontro Evangélico
No final da tarde de sexta-feira, 1º de junho de 2018, após retornar de Oslo, na Noruega, Divaldo Pereira Franco, Embaixador da Paz, prossegue no roteiro de atividades de divulgação da Doutrina Espírita, agora em Bad Honnef, pequena cidade próxima à Bonn, na Alemanha. Antecedendo ao já tradicional seminário anual, foi realizado o estudo de o Evangelho nas dependências do mesmo hotel onde se realizará o seminário do final de semana.
Divaldo Franco, muito animado, iniciou o encontro apresentando a figura incomparável de Jesus, convidando os presentes a sorrir e a sonhar, tal como Martim Luther King Jr. sonhava com uma humanidade melhor. Dez países ali estavam reunidos, mostrando que o idioma não constitui barreira. Diante de tantos apelos e facilidades do mundo hodierno lá fora, todos estavam ali, abrindo mão destes convites dourados do mundo. Estavam em busca de Jesus e de paz, demonstrando que a nova era já se faz presente.
O Semeador de Estrelas discorreu sobre a história do império romano, traçando o cenário que iria receber o astro rei, Jesus, ou seja, a história antropológica do pensamento universal. Hoje, dando um salto quântico na história, a Humanidade vive dias promissores, afinal, Espíritos de escol estão retornando ao planeta, estamos no advento de um mundo de regeneração. O ser humano deve buscar o mapa do tesouro, que é a Doutrina Espírita, e o tesouro que é a verdade, esclareceu com lucidez, contribuindo desta forma com esta transformação. Mudar para melhor e acabar com o Ego, a sombra, é tarefa para todos os dias.
O Arauto do Evangelho e da Paz frisou para que não se dê importância ao mal dos outros. A tarefa de cada um é ampliar o bem, diminuindo as infantilidades que promovem as pequenas guerras, que são combustíveis para as guerras maiores, nas quais há, sempre, a presença das influências espirituais negativas. São elementos que se deve ter ciência, dar atenção, sempre.
Em um clima de reunião familiar, estimulou aos presentes a participarem com comentários e perguntas. Ouvindo com atenção, respondeu todas as questões formuladas.
Neste clima de fraternidade verdadeira, o Arauto do Evangelho, encerrando a bela atividade, formulou convite para que fosse atendida a atual solicitação do Pobrezinho de Assis, ou seja, levar o amor onde exista o ódio. Todos se recolheram com a alma referta de bênçãos pelos momentos inolvidáveis ali vividos, certamente com muitos elementos para reflexão.
A noite se apresentava suave, envolvendo a pequena e bela cidade, o céu distendeu o seu manto salpicado de diamantes estelares e uma brisa mansa soprava docemente, carregando o perfume de rosas que gargalham por toda parte, anunciando a primavera. Jesus, o norte para todos nós...
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Divaldo Franco na Europa Oslo, 30 de maio de 2018

Encontro da Escandinávia
Na manhã de quarta-feira, 30 de maio de 2018, logo cedo, Divaldo Franco esteve reunido no já tradicional encontro de trabalhadores espíritas da Escandinávia. Este ano, o encontro ocorreu em Oslo, reunindo trabalhadores espíritas dos países que integram a região, para ouvirem os esclarecimentos e buscarem diretrizes com o amigo experiente, Divaldo Franco.
Apesar do estado gripal e dos efeitos da recente cirurgia na coluna, ali estava o trabalhador assíduo, pronto para o trabalho. Inicialmente, Divaldo falou das dificuldades que todos enfrentam, dos conflitos, das adversidades, porém, destacou, o compromisso assumido com a divulgação da Doutrina Espírita chama à responsabilidade, solicita disciplina. Os espíritas não estão na Doutrina Espírita para agradar as outras pessoas, procurando terminologias que não firam a outrem, não deve, jamais, buscar adaptar terminologias, o Espiritismo é único, e deve ser apresentado com total fidelidade aos seus postulados, à Allan Kardec e à Jesus.
Os espíritas devem atentar para a necessidade de compreender o seu irmão de caminhada, advertindo para a importância do esforço pessoal em se melhorar, aprimorando-se, combatendo as más inclinações, diminuindo a sombra que ainda é portador. Assim, criará condições para lhe auxiliar a entender melhor aquele que caminha ao seu lado. Abordando algumas de suas experiências na educação de crianças da Mansão do Caminho, comentou a respeito das grandes dificuldades e desafios da educação, traçando um comparativo com as atividades espíritas, o convívio com as pessoas, os conflitos que cada um ainda é portador. Estamos no espiritismo, afirmou o lúcido orador, para resolvermos problemas e não para criá-los.
O centro espírita é a célula básica do Espiritismo, é a nossa escola, nosso hospital, nosso lar, nosso santuário, é ali que nós nos comunicamos com Deus. Comentando sobre as diversas atividades realizadas nos centros ou sociedades espíritas, lembrou Allan Kardec ao destacar os critérios necessários para que as sociedades espíritas sejam classificadas como sérias, observando que existem as que não são sérias, a depender dos prepósitos dos que ali mourejam. O Espiritismo é uma ideia, não necessita de nós, ao contrário, nós precisamos dele, no sentido de que a ideia, por si só se faz e alcança seus objetivos, com ou sem a nossa presença.
Foi um encontro muito importante, e que todo Espírita deveria ter ouvido, pois ali, o Arauto do Evangelho e da Paz chamou a atenção para muitos aspectos que estão sendo esquecidos com o passar do tempo. É digno de nota a fibra, a garra e a coragem com que Divaldo expõe e ama a Doutrina Espírita.
Sejam bem felizes, vivam a graça de Deus, e se tiverem que chorar, chorem, mas quando passar, voltem a trabalhar e a sorrir, recomendou o preclaro expositor. Finalizando as atividades lembrou o Benfeitor Emmanuel: “espírita seja o nome do teu nome”.
O encontro foi, realmente, de luzes. As emoções e sentimentos foram sensibilizados pelo toque amoroso de Divaldo e, como é natural, os olhos se orvalharam de lágrimas. Perante todos, ali estava um homem de longa idade, com o corpo desgastado, mas com uma energia tal, um brilho no olhar, uma vontade de amar e servir, que é impossível não se comover...
Assim se encerrou o encontro. Ali mesmo, na pequena sala, foi servido um almoço rápido, pois que, o Embaixador da Paz deveria retornar ao hotel para se preparar visando viajar à Alemanha, onde a faina evangélica continuará. Aqui, ali ou acolá iremos sempre encontrar o dedicado e persistente trabalhador do Cristo em ação. Esse é Divaldo Franco!
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

Divaldo Franco na Europa Oslo, 29 de maio de 2018

Conferência
Na manhã de 29 de maio de 2018, terça-feira, Divaldo Franco e os que o acompanham nesta jornada doutrinária em terras europeias chegaram à Noruega, sendo recebidos na bela capital Oslo pelos amigos do Grupo de Estudos Espíritas Allan Kardec – (Gruppen for Spiritistiske Studier Allan Kardec - GEEAK-Norge). Todos foram surpreendidos por um belo dia ensolarado e por uma temperatura de 26ºC, que segundo os confrades, fazia cem anos que não se repetia nesta época do ano. Diretamente conduzido ao hotel, o incansável seareiro do Cristo, tratou de desfazer a mala e refazer-se um pouco da viagem e logo no meio da tarde, já estava se deslocando para a conferência que se realizou no centro de Oslo, bem ao lado do Castelo do Rei.
Ao chegar, Divaldo Franco e comitiva foram surpreendidos, pois quase não conseguiram entrar na sala. Obedecendo às normas de segurança, e por haver cerca de cento e cinquenta pessoas superlotando a sala, infelizmente cerca de sessenta pessoas não puderam entrar, algumas oriundas de outros países, tiveram que retornar. Mesmo assim, algumas se mantiveram no corredor, empenhadas em, ao menos, ouvir a mensagem que Divaldo se fez portador.
Ao iniciar a conferência, Dr. Juan Danilo Rodríguez deu as boas-vindas, passando a discorrer sobre as facilidades atuais. Fazendo referência à vida futura, proposta do tema da tarde, explanou um pouco sobre o seu novo lar, a Mansão do Caminho, para dar uma ideia aos noruegueses atentos sobre o imenso trabalho de acolhimento, educação e amor realizado pela nobre instituição brasileira, sensibilizando a todos com sua ternura e carinho habituais.
Afirmando falar o idioma internacional do amor, e auxiliado por eficiente tradutor norueguês, Divaldo Franco embasou a temática citando o período do Iluminismo Francês e do Racionalismo Inglês, que transformaram a paisagem da terra, uma vez que estimulavam os filósofos a combater o poder dos Reis e da alta aristocracia, surgindo, como consequência, a Revolução Francesa. Citando Augusto Comte, o Pai do Positivismo, Divaldo descreveu o Humanismo. Através da física quântica moderna, o homem sabe que não existe a matéria, ela é resultado da aglomeração dos átomos, logo, tudo o que vemos, não é exatamente como vemos. Referindo-se também à Albert Einstein, este afirmava que os indivíduos vivem em um mundo de ideias, de pensamentos e de transformações constantes, demonstrando que tudo muda o tempo todo.
Divaldo Franco, aproveitando a sua vastíssima experiência no campo da mediunidade, destacou que, em uma vida longa, sempre enfrentou e enfrenta os quadros de doenças, fazendo uma ponte fantástica com a escolha de amar a vida. Sendo alguém que conhece e ama Jesus, o Semeador de Estrelas frisou, com muita propriedade, o significado e a importância do amor na vida de todos, afinal, Divaldo sempre buscou amar e a ir em busca dos que não são amados, os invisíveis, aquelas pessoas que fazem os trabalhos mais humildes, que muitas vezes os indivíduos olham, porém, não veem. Vivemos em um mundo de energias e o Espiritismo é a ciência que nos trouxe uma filosofia de vida estruturada na imortalidade da alma.
Era possível observar o quanto a plateia estava emocionada, certamente perceberam que estavam diante de alguém que ama verdadeiramente a si, ao próximo e a Deus. Os noruegueses, com absoluta certeza, se renderam à simplicidade e ao amor do baiano peregrino que há sete décadas percorre o mundo levando o Espiritismo e o Evangelho de Jesus.
Encerrando a conferência, muito aplaudido, ainda respondeu a diversas perguntas, atendendo gentilmente a todos, recolhendo-se em seguida para o necessário descanso, afinal, no dia que se segue, bem cedo, haverá o encontro com os trabalhadores espíritas da Escandinávia, e Divaldo lá estará a postos, porque sabe que Jesus conta com os seus esforços.
Texto e Fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

(Recebido em email de Jorge Moehlecke)

terça-feira, 29 de maio de 2018

Divaldo Franco na Europa Helsinque, 28 de maio de 2018

Conferência
A segunda-feira, 28 de maio de 2018, foi intensa para Divaldo Franco na Finlândia, já no período da manhã, no hotel, concedeu uma longa entrevista respondendo várias perguntas anteriormente formuladas sobre a Doutrina Espírita, seguido por Juan Danilo, que também foi entrevistado. Após ligeiro almoço, Divaldo Franco e os amigos que o acompanham seguiram para o local da conferência pública e, no final da tarde, lá estava o Arauto do Evangelho discorrendo sobre o Espiritismo para um auditório composto por cerca de duzentas pessoas, a maioria finlandeses, com a presença, também, de alguns brasileiros.
Contando com a tradução do amigo finlandês Pekka Kaarakainen para o idioma local, o Dr. Juan Danilo, como tem ocorrido neste roteiro pela Europa, iniciou as atividades relatando suas experiências na fundação do primeiro centro espírita do Equador, na cidade de Quito, onde residia até há alguns meses. Atualmente Juan reside em Salvador, na Mansão do Caminho, demonstrando, em seu relato, a atuação da Providência Divina que a tudo preside, utilizando-se de caminhos, nem sempre convencionais. O querido amigo apresentou as atividades que são desenvolvidas na Mansão do Caminho, junto à comunidade local, constituindo-se, essas atividades, em um trabalho de verdadeiro amor, iluminando consciências, levando também o pão para o corpo e o alimento para a alma.
Iniciando a sua conferência, Divaldo Franco afirmou que o ser humano penetrou no macrocosmo, nas micropartículas e alcançou a energia. Combateu e venceu epidemias, encurtou as distâncias, permitindo que se viva, hoje, em uma espécie de aldeia global. Porém, apesar de todas estas e outras conquistas, ainda não aprendeu a conviver bem entre si.
No momento cultural atual, afirmou, quando se fala sobre o amor, a impressão que se sente é a de se estar ultrapassado. O amor foi desfigurado pelo ser humano, transformando-o em um impulso das paixões carnais. No entanto, esclareceu, o amor é sempre muito atual, deixou de ter um sentido religioso para ser psicoterapêutico. Divaldo narrou experiências vividas ao longo de várias décadas na Mansão do Caminho, sensibilizando os ouvintes atentos. Nada mais apropriado para falar sobre o amor, do que exemplificar através das ações dessa obra que é toda voltada ao amor, afinal, a sua, é uma vida de amor ao próximo, como ensinou Jesus. O lúcido orador mergulhou nos ensinamentos de Jesus, o maior filósofo e psicoterapeuta da humanidade, demonstrando a excelência do amor. Hoje a psiquiatria e a psicologia recomendam a leitura do Evangelho como processo terapêutico.
Citando Charles Richet, Prêmio Nobel de Medicina, médico fisiologista francês, Divaldo Franco discorreu sobre a metapsíquica, sobre a parapsicologia, adentrando-se na imortalidade da alma. Apresentando dados e fatos sobre o surgimento do Espiritismo, abordou amplamente a mediunidade, trazendo vivências suas, uma vez que desde os quatro anos de idade, não apenas vê os espíritos, mas os ouve e conversa com eles, fazendo com que a atenta plateia pudesse ter uma noção muito ampla da realidade da Doutrina Espírita, do seu significado na vida de todos.
O Espiritismo, afirmou Divaldo, vem repetir as lições de Jesus. E como estava discorrendo sobre o amor, destacou a importância do exercício da caridade, embora a Finlândia seja um país rico, existe a miséria moral e emocional, o alcoolismo, o suicídio, entre outros dramas que assolam as criaturas humanas. O homem moderno vive em uma hora em que a tecnologia apresenta muito conforto, porém, somente o amor concede o estado de felicidade. Não devolva o ódio a ninguém, seja você aquele que ama e tem paz.
É por amor que os Espíritos auxiliam e amparam os indivíduos e orientam para proceder bem aqui na Terra, a fim de colher os bons frutos quando adentrar na vida além desta vida, na imortalidade.
Encerrando sua enriquecedora conferência, após ter respondido inúmeras questões formuladas pelos presentes sedentos de conhecimentos novos sobre o Espírito imortal, o peregrino do Cristo, agradeceu a presença amorosa e o carinho com que o receberam. Igualmente, solícito, atendeu aos inúmeros pedidos de autógrafos, fotos, despedidas, afirmando que pretende ainda retornar ao país, que visita pela terceira vez, pois que se depender dele, pretende ultrapassar o centenário na terra.
Muito aplaudido, e de pé, os finlandeses, que em geral são introvertidos, renderam suas homenagens, cativados pela simplicidade, a espontaneidade e a natural abordagem com que Divaldo Franco se expressa. Certamente notaram que o seu, é um discurso legítimo, porque vive conforme prega. Retornando ao hotel, logo se recolheu, tendo em vista que o próximo amanhecer já o encontrará no aeroporto, rumando para Oslo, na Noruega.
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno

(Recebido em email de Jorge Moehlecke)

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Divaldo Franco na Europa Helsinque, 27 de maio de 2018

Conferência
Em 27 de maio de 2018, domingo, muito cedo, Divaldo Franco já se encontrava no aeroporto de Viena, rumando para a Finlândia. Ao chegar na bela capital Helsinque, além do astro rei, o sol, Divaldo e alguns amigos foram recebidos pelo pequeno grupo do confrade Pekka Kaarakainen, que a todos aguardava alegremente. Após uma rápida refeição no próprio aeroporto, Divaldo foi conduzido ao hotel, pois já era aguardado por um grupo de estudantes do Espiritismo para um encontro informal.
Mal se acomodará, buscando um refazimento rápido, e porque Divaldo não se permite viver a hora vazia, se reuniu, no próprio hotel, para dividir sua vasta experiência com o grupo de Finlandeses ávidos por conhecimentos.
Ali estavam pessoas notadamente buscando compreender estas ideias e os ideais espíritas, para eles, ainda muito novas. O amigo Dr. Juan Danilo deu início ao aguardado encontro, saudando aos presentes com o carinho e empatia que lhes são próprios e passou a narrar como foi que o Espiritismo surgiu em sua vida, discorrendo, também, sobre a implantação da Doutrina Espírita em Quito, no Equador, onde, a semelhança da Finlândia, o Espiritismo ainda é muito pouco conhecido. Relatou, igualmente, suas experiências com os Espíritos, através da mediunidade, passando em seguida a palavra a Divaldo Franco.
Traduzindo o teor da narrativa ao idioma Finlandês pelo querido amigo e anfitrião Pekka, Divaldo Franco, saudando os presentes, incentivou-os a prosseguirem estudando os postulados espíritas, afinal, disse ele, os fenômenos espíritas são de todas as épocas da humanidade.
Citando o filósofo Sócrates, adentrou-se pela necessidade do autoconhecimento, que se constitui no caminho para e felicidade, sendo possível encontrar as razões para tudo o que ocorre na vida. O ilustre orador discorreu e comentou sobre as bases, os alicerces da Doutrina Espírita, deixando muito claro os cuidados que se deve adotar a respeito da fidelidade à codificação, e sobre a responsabilidade e o compromisso que se deve ter ao realizar a divulgação do Espiritismo. Foi uma palestra eminentemente doutrinária, algo cirurgicamente elaborado, elucidando, certamente, muitas dúvidas e conceitos distorcidos trazidos pelos olhares atentos, como é natural.
O preclaro conferencista apresentou, ainda, várias vivências suas com relação à mediunidade, afinal são setenta anos de convivência com os Espíritos e muita experiência acumulada. A vida é um poema de alegria que oferece plenitude, e o Espiritismo dá ânimo para tornar o mundo melhor, afirmou Divaldo Franco.
Alicerçado em sua ampla experiência, Divaldo tornou o encontro leve e agradável, apesar do tema grave, e com seu bom humor provocou muitos risos, deixando todos muito à vontade, afinal Divaldo vem, há décadas, desbravando fronteiras pelo mundo afora, falando de Espiritismo onde nunca antes ninguém falou.
Na etapa final ainda respondeu diversas questões formuladas, sempre com jovialidade, esclarecendo a todos. Assim, encerrou o encontro, atendendo, uma vez mais, todos os que desejaram dar-lhe um abraço, fazer uma foto, ou entabular um rápido diálogo, tudo muito normal para um “jovem” de noventa e um anos de idade. Ele é mesmo um trator, o “Trator de Deus”, segundo Chico Xavier, o médium espírita do século XX.
Texto e fotos: Ênio Medeiros
Revisão e adaptação: Paulo Salerno
(Recebido em email de Jorge Moehlecke)